Arquivo de etiquetas: amor

1 000 coisas

Poderia te dizer mil coisas,
mas o som da voz desvanece
e com o tempo o cérebro esquece.
Poderia te escrever mil coisas,
mas as linhas da caneta desaparecem
e o papel rasga-se.
É esquecido..
Mas olha…
Olha por uns instantes 
Deixa a tua alma e coração verem
Deixa ficar gravado em ti
Todos os mil gestos
Todos os mil olhares 
Todas as mil formas que te toquei
Que te demonstrei nesta década
Deixa o meu amor ser eterno
Em ti
Mesmo que o tempo nos separe
Deixa a tua alma carregar esse amor
Até ao nosso próximo reencontro
Até à próxima reencarnação.
©Lola 2017 #69Letras

Sous le ciel de Paris

E lá estava ela.
O olhar brilhante, o sorriso doce, as madeixas douradas a ondular ao sabor da brisa, o casaco vermelho a combinar com a boina, o corpo esbelto e perfeito.
Na ponte sobre o rio Sena lá estava ela, a contemplar a Torre Eiffel, como sempre fazia ao fim da tarde.
A neve caía-lhe sobre os ombros como se algodão fosse e ela não se importava com o frio cortante que se fazia sentir naquele Inverno parisiense.
E, como sempre, aqui estou eu sentado na escadaria à espera que ela chegasse, apenas para a contemplar.
Apenas a olhar, sem a poder tocar, sem lhe poder dizer que o meu coração se prendeu a uma estranha.
O meu coração prendeu-se a ela.
Mas hoje foi diferente.
Hoje, depois de olhar a Torre, ela olhou para mim.
O seu olhar chocou com o meu e, timidamente, ela sorriu.
Sorriu para mim. E aproximou-se.
“Posso sentar-me aqui?”
Surpreso, apenas acenei a cabeça em sinal afirmativo.
O meu corpo estremeceu quando ela se sentou e o seu perfume suave invadiu o espaço.
“A vista é linda. Todas as tardes venho até aqui para olhar para a Torre e ver o anoitecer cair sobre ela.”
“Eu sei. E eu venho aqui só para te olhar e comprovar que o teu brilho é maior que o das estrelas”, pensei.
Sorri para ela e apresentei-me.
A conversa sobre Paris e a sua beleza prolongou-se até a noite chegar.
“Amanhã irei voltar. Encontro-te aqui?”
Ela queria voltar a estar comigo.
O meu coração quase explodia com tanta felicidade.
A semana passou-se com encontros diários na escadaria.
E eu sentia-me apaixonado.
Numa dessas tardes ela contou-me porque olhava sempre para a Torre Eiffel ao anoitecer.
“Um dia gostava de ir até ao cimo da Torre e olhar as estrelas. Acredito que de lá lhes poderia tocar e que os meus desejos se realizariam.”
“E qual é o teu desejo?”, perguntei.
“Neste momento…tu”.
Os nossos olhares fixaram-se, aproximando os nossos rostos e fazendo com que os lábios se tocassem.
Que beijo tão suave e doce.
Eu amava-a. Eu queria tornar os seus sonhos realidade.
Uma tarde, antes de nos despedirmos, sussurrei-lhe ao ouvido:
“Esta noite vais mais alto. Esta noite vais tocar nas estrelas.”
E entreguei-lhe uma chave. Uma chave para a Torre.
Os olhos dela ganharam um brilho maior que o do sol.
Abraçou-me.
“Obrigado! E tu? Vens comigo? Queres ir mais alto e sentir como é tocar numa estrela?”
“Eu já senti. Eu já te toquei.”
E assim nos despedimos.
Na noite cerrada, caminhei em direcção à Torre Eiffel.
Parei na ponte onde sempre a costumava ver.
Olhei para o topo da Torre e vi uma silhueta.
Uma silhueta esbelta e mais brilhante do que o anel de diamante escondido no meu bolso.
Tocava nas estrelas pedindo os seus desejos. Estava lá, mais alto.
A mulher a quem entreguei o meu coração.
A mulher que amo.

© Fox 2017 #69Letras

O que há de novo para descobrir?

Julgam que é só os jovens que tem algo novo para descobrir, para aprender?
Engano
Mesmo quem envelhece tem sempre algo novo para descobrir.
Os jovens julgam que com o avançar da idade, que deixamos de sentir, de viver, de amar. Que vemos o mundo distorcido.
Ah! Como estão tão cegos, quanto ainda tem de aprender, ver.
A idade não nos envelhece em nada, simplesmente a nossa forma de pensar e ver a realidade é mais madura, mais ponderada.
Mas ao ser assim, não invalida que deixemos de cometer loucuras e atirarmos-nos de cabeça para determinadas decisões.
Enquanto os jovens vêem e jogam-se. Nós os mais maduros já fizemos o trajecto mental e aí… de pés assentes no chão lançamos os dados até fazer roll out.
Em novos temos aquela ânsia, aquele desejo voraz de fazer tudo, experimentar tudo.
Parem!! 
Não tenham pressa.
Porque quando chegarem à idade dos vossos pais, irão ser sedentários, vão olhar à vossa volta e perguntar.
O que há de novo para descobrir?
Nada..
Falo pela minha experiência, não gastem os vossos sonhos, as vossas experiências de uma só vez.
Fazei aos poucos, vivei. Apreciai o que cada momento, cada pessoa vos pode dar e transmitir.
Quando chegarem aos 40, 50, 60 irão olhar para trás e perguntarem-se já fiz tanto, realizei tudo o que gostava.
E, agora!… Agora que poderei descobrir?
Nada
As vossas vidas serão monótonas, cinzentas, sem sabor.
A única coisa, o único sentimento que é eternamente redescoberto, que persiste por todas as décadas é o Amor.
O Amor é algo que poderás sempre descobrir de novo, se for essa tua vontade.
Amar na juventude é intenso, impulsivo, arrebatador e por vezes passageiro.
Amar na idade madura é transcendente, bastar um olhar, um gesto e ambos sabem o que querem, o que desejam.
Não precisam de ser relembrados de como tem de amar a alma e o corpo.
Amar na velhice é doce, é uma brisa suave que te toca o rosto e te enche o coração de esperança e desejo.
© Lola 2017 #69Letras

Quero um homem!

Quero um homem!

Um homem sem medo de se entregar.

Um homem sem medo de beijar e ser beijado.

Um homem sem medo de tocar e ser tocado.

Um homem sem medo de sentir e ser sentido.

Quero um homem que me queira f@der, mas que também queira  o que muitos chamam de “ fazer amor” e eu chamo de sentir e entregar.

Quero um homem que deixe as suas mãos tocarem-me suavemente, e que cada beijo que me dê seja compreendido e entendido.

Ahhh!!! Como seria bom, um homem assim…

Quero um homem que não tenha pressa.

Quero um homem que me faça vir, antes de pensar nele.

Quero um homem que me olhe nos olhos a cada investida e não tenha medo do que veja.

Quero um homem que enrosque o seu corpo no meu, depois de me fazer sua.

Quero um homem que não tenha medo de ser feliz, mesmo por um dia…

 

©The Oyster 2017 #69Letras

 

“Ansiedade”

3h da manhã!!

O raio das horas não param e eu ainda acordado e o sono sem aparecer!!

Um aperto no peito invadiu-me e eu já perdi noção de quando começou, minutos, horas, dias?

Sinto necessidade de me ausentar várias vezes ao dia, me refugiar e inspirar bem fundo a ver se acalmo.

Quando começou, há dias, pensei que fosse mais um episódio de taquicardia, tal como tive com 18 anos (sei que nunca te contei isto mas, também tenho tantas coisas para te contar).

Percebi ao longo dos dias que era algo mais.

Saudades, desejo, vontade de estar contigo e te ver, te conhecer.

Sinto-me um pequeno miúdo ,ansioso à espera do dia de Natal, a contar os dias até que chegue finalmente “aquele dia”, o dia de te conhecer!

Tudo isto, pela esperança de te ver, te abraçar e apertar bem apertadinha com medo de te deixar fugir, como se estivesse a abraçar alguém verdadeiramente pela primeira vez.

Quero sentir teu cheiro, sentir teu toque, tua presença.

Quero acordar a teu lado, sussurrar ao teu ouvido o quanto te adoro, o quanto te A(s)MO!

“Será precipitado?” perguntam.

“Porquê?!” pergunto eu.

Será que o amor só poderá ser quantificado pelos anos ou pelos momentos vividos juntos?

Porque não por toda amizade, toda cumplicidade, toda singularidade que partilhamos nas nossas conversas, nos nossos olhares à distancia?

Ai, esses nossos, tão nossos momentos, tão bons, tão puros e verdadeiros, dos quais não quero prescindir nunca.

E lá continuo eu, contando os dias atrás de dias..riscando um atrás do outro..até que chegue “aquele dia”!

Até lá, vou sustendo a respiração, na ânsia que me ajudes a respirar novamente!

Teu!

© Anónimo 69Letras 2017-05-17


“Despertar”

Em todos meus anos de vida, nunca um despertar foi tão vazio.

Fugiste de mim, sei que apenas por uns dias, umas longas horas e que provavelmente irá acontecer mais vezes na longa vida, que ambos queremos ter juntos!!

Caminho pela casa, ainda meio perdido de sono, com os músculos entorpecidos da cama e o coração apertado.

Não consigo conter as lágrimas de saudades tuas e sinto o sabor salgado delas no meu café matinal.

Contarei todos os minutos, ansioso, pelo momento de te ver aqui novamente, com o teu sorriso tão perfeito, capaz de iluminar toda esta casa e poder agarrar-te e prender-te no meu abraço.

Ouvir tua voz de manhã foi sem duvida o momento alto do meu dia e o relembrar que te AMO e te quero para sempre.

Sim, para sempre.

Sei que costumo dizer que o para sempre é eterno e impossível mas, sim, quero-te para sempre!!

Teu, saudoso e loucamente apaixonado..

© Anónimo 69Letras 2017-05-17

 


 

“Tempo”

O tempo pára quando te beijo,

viajo no tempo quando leio para ti,

não fujo do tempo mas,

o tempo foge-nos quando ouvimos música juntos,

sinto o tempo (e sinto-te a ti) quando te escrevo e liberto-me do tempo quando respiro,

preso no teu abraço!!

© Anónimo 69Letras 2017-05-17