Arquivo da Categoria: Vicky M

As nossas escritas tecidas a sorrisos e mordidelas

Escreveste-me com inúmeros sentidos, escreveste-me movido por todos os sentidos…
Escreveste-me ternura, carícias, sonhos e projetos.
Escreveste-me paixão, tesão, fetiches e loucuras.
Escrevo-te movida por um coração que sinto palpitar na boca pelas ânsias de ti, por um desejo que não pára de crescer, por lamechices e fogo, pelo ronronar, pelos gemidos abafados, pelo doce cavalgar bem como pela canzana à janela… Escrevo-te completa… Continuar a lerAs nossas escritas tecidas a sorrisos e mordidelas

Mais um Verão em Portugal… Desta vez mais negro…

Desde miúda que me lembro de ver as notícias sobre os incêndios florestais. Todos os verões, sem excepção, aqui e ali, estatísticas chocantes em alguns anos, esperançosas noutros. Mão criminosa, matas mal limpas, churrascos que correram mal, calor em demasia…

As causas são infindáveis, as localidades diversas, mas foi todos os anos… Felizmente nunca estive perto de uma catástrofe de grandes dimensões e como sou de Lisboa, eram mais os anos em que ficava preocupada pelos colegas que iam passar o verão à “terra” e cheguei a ouvir relatos de aldeias cercadas de fogo, de uma clausura em forma de fumo denso, de sóis de cores diferentes…

Homenageio aqui os guerreiros e guerreiras que bravamente combatem o fogo, com força de heróis, com resistência sobrehumana… Ainda nos dias​ que correm é triste saber que nem todos estão devidamente equipados e protegidos, é triste saber que os meios são sempre escassos, mas louvo-lhes a coragem por irem na mesma, alguns por darem a vida em prol da segurança de mais uma casa, de mais uma família…

Confesso-me emocionada a escrever estas palavras e confesso também que durante muito tempo nada fiz… Era mais uma que via as notícias, criticava o governo, amaldiçoava quem por mão criminosa se atrevia a roubar um pouco mais de oxigénio à terra… Podemos fazer alguma coisa sim! Longe ou perto, muito ou pouco… Algo tão simples como água pode ser precioso. Tornar o fim de semana de família num projeto de limpeza da mata local pode ser vital (ainda que seja algo pequeno, se arder pode chegar dentro de casas…).

Como li algures, todos os gestos são pequenos mas muitos pequenos gestos são uma grande ajuda…

Sinto que tudo isto já foi dito, já foi escrito, mas não me desata o nó na garganta… Deixo homenagem e apelo e fogem-me as palavras para mais…

Não posso terminar este texto sem lamentar as vítimas de Pedrógão… As minhas condolências às famílias. Muita força e coragem nestes tempos…

© VickyM 19.06.2017 #69letras

 

Cheiro

É, o que me faz mais falta é o cheiro… Não o cheiro do perfume, nem da loção para a barba, não é isso… É o cheiro que me entra pelas narinas quando mergulho num beijo, o cheiro que exala quando repousa exausto depois de uma sessão de sexo desenfreado…

O cheiro do conforto do abraço… Esse não se compra…

Perfumes existem milhões e já me cruzei com esse tipo de memórias, essas são fugazes, essas mutam como as modas, perecem… Emanar essência é outra coisa… Enfeitiça-me uma vez mais, possui-me perdida, prende-me ao momento, sorridente, quase inocente, pura de sentidos, bebeda do teu aroma…

©VickyM 2017 #69letras

Meu doce sonhar

Cheguei a casa e lá estavas tu, vestindo o avental que me faz rir, a tocar a música que me faz relaxar, refrescando o vinho perfeito para casar com o cheiro que me invadia os sentidos e que sabia ser do meu prato favorito… Inevitavelmente sorri ainda que cansada, ganhei energia para me atirar ao teu abraço como um errante no deserto que encontra o seu oásis transbordando de água fresca…

Senti a tua pele, enchi-me de cor e calor, estava em casa, sentia-me em casa, era tempo de ser eu, era tempo de sermos nós…

Beijei os lábios que me sabem a céu, senti as tuas mãos nas minhas costas acalmando e exorcizando as maleitas do meu dia que é sempre longo longe de ti… Uma alegria imensurável tomou conta do meu coração e as lágrimas caíram… É tão isto…

Fechei os olhos para sentir os teus dedos a secar-me as lágrimas que sabes serem de felicidade e quando os abri… Enfim… O coração continua quente, mas não estás aqui, não em corpo… Mas o amor que me sopras pelo vento… Ah se sorrio quando o sinto na face…

© Vicky M 2017 #69letras

Opah, já acabaste?!?!

M18| 🔞🔞🔞

Estou naqueles dias… Sem paciência para a estupidez alheia, com respostas tortas até ao mais singelo bom dia… Não, não é TPM, não é o período, não é nada disso!

A minha falta hoje é mesmo de s3xo, de uma foda daquelas que te deixa as pernas a tremer muito depois de ter acabado, que te humedece as cuecas no dia a seguir só pela lembrança, daquelas que causa um arrepio na espinha e faz as pernas apertar só de imaginar…

Mas não, estou a trabalhar, a aturar a aparentemente infindável idiotice da raça humana…

Enquanto despacho mais uma abécula com as suas perguntas (daquelas que fazem morder a língua para não responder torto), tento fazer um flashback ao último cunilíngus decente que me fizeram. Sorrio involuntariamente… A criatura à minha frente tem tanto de tesudo como de burro… Miúdos de hoje em dia… Se me sentasse na cara dele talvez ganhasse alguma coisa, calava-se…

Oh, f@da-se! Talvez nem competente para isso seja! Será que tem um bom pau? Parece que é daqueles cor de rosa…

O volume nas calças é interessante, deve dar para ser usado, de boca tapada… Se bufar muito ainda leva umas bofetadas…
Ele continua a balbuciar, suspiro! É incrível como tanta beleza não tem um pingo de charme… Só servia para ser uma pπtinha… Ficava tão bem num X… Ser açoitado até aprender a ser homem…
“Opah, já acabaste!?!”

Finalmente, depois de lhe falar como se fala às criancinhas, o macaquinho dá-se por satisfeito e vai-se embora…
É incrível como a ignorância me faz descer tão baixo… Gosto do meu lado animal…

“Olha, vou só fazer um xixi!”
É mentira, vou-me masturbar, preciso aliviar, já venho!

Reminder: agendar aquela f@da, antes que me torne impossível de aturar!

© VickyM 2017 #69letras


Obtém 10% de desconto em todas as tuas encomendas! 69 novas formas de prazer!

Regista-te em www.aubaci/69letras

Talvez se te calasses ouvisses…

Longos os silêncios em que não há nada dizer… Não o silêncio do conforto, da compreensão, das palavras caladas…

Silêncio que pede que não sejam pronunciadas as palavras alheias que teimam em vir sem serem convidadas, que está enjoado das mesmas tretas, que revira os olhos e que manda o pensamento para um sítio feliz para que o sorriso amarelo resista, para que a tampa não salte e não a boca não exploda em sarcasmo afiado…

Cala-te de uma pπta vez e escuta o meu silêncio… Ele só quer paz…

© VickyM #69letras

O tempo do destino…

Como é bom estar apaixonada…
Acordar e adormecer com aquele ser a ocupar os sentidos, a despertar um sorriso doce…
Como sabe bem o coração em constante palpitação, a mente em constante viagem, como são sentidos os suspiros esperançosos de que agora tudo fará sentido…
Pensamos

“Onde estiveste toda a minha vida?”
“Porque não apareceste mais cedo?”

Há quase uma cobrança ao destino da nossa felicidade… É então que ele nos responde que agora é que é por um série de porquês…

Porque a felicidade parte de nós,
Porque não poderia amar-te assim se a vida não me tivesse ensinado amor próprio primeiro,
Porque só sendo plena posso caminhar contigo pleno, lado a lado, sem atropelos…
Porque és tu quem eu quero e só agora o sei, porque só agora posso dizer que sei o que quero para mim…

Aprender a viver, a respeitar o tempo das coisas, algo tão essencial do qual nos esquecemos e exactamente por isso nos precipitamos nas armadilhas que o destino nos coloca ardilosamente no caminho…

Tudo tem um tempo, tudo tem o seu tempo… Agora é tempo de amar, agora é tempo de esperar, é tempo de existir com isto guardado em mim…

Acordando, sonhando, amando, ansiando, esperando…

© VickyM #69letras