Arquivo da Categoria: Vicky M

Minha Marie, sempre minha Marie

Fascinei-me por ti há muito tempo, sabes?! Um fascínio meramente platónico inicialmente. Perdia-me nas tuas letras, bebia, hidratava a minha alma com os rasgos que te vinham do âmago.

Torna-se um vício vasculhar a tua alma através das palavras com quem jogas tão bem e, ao fim de um tempo bastavam-me duas linhas para reconhecer a tua marca, a assinatura impressa nos teus desabafos.

Revi-me, senti-te, vivi os relatos, rasgaste-me a alma, sorri, chorei…

Acordaste as minha mais diversas vontades, mas principalmente a de conhecer o mulherão que estava por trás das palavras que me moviam com a força de um furacão. Reservei-me à timidez que poucos me conhecem, mas eventualmente fui contagiada pelo poder das letras que me entraram pelas veias e soltaram as minhas. Trocámos algumas e para meu grande orgulho, a minha escrita faz-te sentir-me…

Tenho o previlégio de dizer que conheço a grande mulher que és e mais, conheço o potencial que teimas em negar! Conheço a fera por trás dos ímpetos, os pensamentos impregnados de malícia por trás do sorriso tímido, a menina sonhadora camuflada pelas cicatrizes da vida… Vejo-te, vês-me e sabes que não me canso de dizer que te adoro, te admiro e outras coisas mais…

Minha Marie, sempre minha Marie!

P.S.: Faz-me um favor, nunca mudes!

© VickyM 2017 #69letras

Fire meet Gasoline…

É impossível esquecer o dia…Todas as vezes me causa um sorriso…
Mas hoje estou aqui sentada com frio e quero aquecer a alma, revisito os momentos, todos os momentos…

Eu era o fogo, crepitando dentro, ansiosa por fugir para fora do corpo, confinada a uma sala de portas seladas. Tu eras a gasolina, estavas estático, esperando ser aceso para espalhar a tua energia, ansiando por uma explosão, mas morno, e estavas ali na sala ao lado, onde te detiveste…

Senti o teu cheiro, desejei-te, quis ser tua, tive medo de arder uma vez mais em vão…

Mas precisava daquilo, não fazia ideia do quanto… As labaredas ardiam-me nos olhos e lançavam fagulhas, chamando por ti que acordaste e foste chegando perto, curioso com o calor que emanava por trás da porta incandescente.
Já não sei bem quanto tempo estivemos naquela dança de cortejo, mas tu tiveste a coragem, pousaste a tua mão na maçaneta e rodaste… Colei os meus lábios aos teus… Porra!

Era aquilo! Finalmente era aquilo… Eu ardia na medida certa e tu explodias por dentro ao meu toque!

Como fogo, guloso, espalhei-me por ti e incendiei-te, eu sei, a culpa foi minha… Mas era perfeita a nossa sinergia, era a perfeita chama que brilhava de nós…

Consumi-te, devorei-te, alimentei os meus desejos de caos em ti e tu deixaste…

Espalhaste-te por mim e ardeste comigo… Já não sei onde é que eu começava e onde acabavas tu, tudo era calor, por dentro e por fora… Dançámos, incendiando tudo à nossa volta… Oh, como os nossos corpos fundidos bailam… Os movimentos são graciosos, as linhas enchem o olhar da alma… Mas como todo o fogo, e à falta de vendaval, acalmamos. Deixamo-nos ficar ali nas brasas, nos resquícios da chama, repousando, respirando… Quis fugir, quis essencialmente convencer-te a fugir, sou fogo, sou rebelde, difícil de controlar… Mas tu ficaste, seguraste-me junto ao peito e eu soprei, reacendi-nos, fiz tempestade num copo de água e o fogo continuava selvagem…
E como é bom ter este calor que queima a cara e nos derrete em sorrisos, que deleite é este de arder no inferno de prazer… Este arrepio do vento que vem e deflagra e consome acrescentando…

É isto… Fire meet gasoline…

Está calor, deixa que te refresque…

Conto Erótico | M18 🔞🔞

Quando chegas eu já estou pronta… Abri as janelas para entrar o ar e a luz… Não tenho muito sobre a pele, apenas um top de alças rendado e umas cuequinhas a condizer…

Recebo-te com o sorriso que sabes o que significa e acolho-te com um beijo profundo e expectante. Faço-te largar o que tens nas mãos e levo-te ainda envolto no beijo para a mesa da sala de jantar… Está fresco lá…

Está feita à medida para te baixar as calças que já desapertei no caminho. Já estás despir a camisa quando faço o caminho para cima provando a tua pele salgada pelo suor, entre as pernas, nas virilhas… Deito-te sobre a mesa e beijo-te uma vez mais. Adoro o sabor desse beijos que conheço tão bem, doce, salgado, suave e profundamente excitante…

Faço a língua chegar ao teu peito, chupo os mamilos, despedindo-me de cada um com uma trinca ligeira..Ai esta pele sabe pela vida… Refresco-te, há uma razão para estarmos aqui…

Coloco uma pedra de gelo na boca e derreto-a em ti, terminando bem junto ao teu pau que já lateja de tesão. Engulo-o ainda com a boca gelada e tu tremes com o choque…

Sem deixá-lo aquecer muito empurro-o para dentro de mim… Quem transpira agora sou eu…

Tenho a pele a ferver e a ratinha a pingar. Encaixo-me em ti e começo os movimentos​ cadentes e suaves… Para já… Passa uma brisa fresca e arrepia-me a pele, juntamente com esta sensação de te ter a preencher-me toda na perfeição… Cavalgo agora com mais vontade, mais gulosa… Seguras-me pelas ancas e cravas-me as unhas, gemo… Quero mais, enterra-te mais, deixa que te foda mais…

Uso as pernas para prender as tuas e seguro nas tuas mãos como se fossem rédeas para nos levar a galope a caminho de um orgasmo estrondoso, melado, intenso… Hummm, que delícia…

Deixo-me cair no teu peito e respiro em uníssono contigo procurando equilíbrio outra vez… A brisa nas costas e no rabo sabem-me bem… Ainda estás dentro de mim…

Saboreamos isto mais cinco minutos e continuamos no banho, sim?

© VickyM 2017 #69letras

Perfeitamente imperfeita

As minhas linhas tortas endireitam-se ao teu toque, aos teus olhos todas as minhas imperfeições são doces palavras de contemplação…

Os meus movimentos são fluidos, flutuo nos teus braços e a graciosidade é minha parceira… Mais mulher que isto não me consigo sentir.

Eu, que no meu estado natural reconheço todas as minhas grossuras e bestialidades, olho agora para elas com um sorriso, não que as queira longe de mim mas porque me sinto próxima delas de uma forma que não sentia antes…
O primeiro pensamento é que o cabelo está ainda mais desalinhado que o normal, mas a primeira palavra que sai da tua boca é “Linda” e então nada mais importa… As minhas curvas são suaves debaixo do toque de seda, os seios encaixam nas mãos como se algum arquitecto divino tivesse desenhado estas duas peças para encaixar…
O olhar molda-me em forma de deusa, os lábios beijam-me os pés e vestem todo o meu corpo de flores…

Para ti sou rainha mas sou eu quem está rendida aos teus encantos…

Esses que me lanças com essas pérolas que chamas de olhos enquanto estou perdida em pensamentos…
Sou energia, sou linhas traçadas no tempo e no espaço, sou mulher, sou sexy, sou marca(s), sou desejo, sou movimento…

© Vicky M 2017 #69letras

Obs: texto inspirado na gravura de Déa Azevedo. Obrigada!

Maiores de 18 🔞🔞🔞

Podia ficar aqui a vida toda… Aqui estou tranquila, protegida… Aqui sou eu sem mais nem porquê, sou eu porque sim, sou eu porque nós…

Sem tretas digo que quero que me f@das, que me batas, que me arranques orgasmos com a língua, que me metas os dedos porque para mim ainda não chega. Deixo a vergonha de ser insaciável de parte e esgalho-te até ao tutano, até o guerreiro baixar as armas e acenar com a bandeira branca. Exploro-te e deixo e quero que me explores… Entrego-me… Recebo-te…

Bebemos uns copos porque já chega de água mas a sede continua, tempos de pausa, tempos de riso e cumplicidade.

Gosto de mesmo depois de te deixar trazer o teu cheiro​ comigo, gosto pouco de ter que te deixar…

Ficava, mas a vida chama, e vou-me a ela de forças renovadas e munida do sorriso… E que se f@da se o chefe é chato ou é culpa minha que os outros não façam o seu trabalho, quero mais é que chova porque eu estou a ferver, que se exploda o mundo que no meu… Estou feliz…

© VickyM 2017 #69letras

Swing de vinho…

Texto Erótico | M18🔞

Fomos jantar… Depois de uma série de desencontros, finalmente a nossa agenda encaixou.
Jantar de amigos em casa numa sexta à noite, perfeito! Ali interessava mais o cheiro que vinha da cozinha, o líquido que escorria dos copos e os sorrisos do que vestidos e glamour.

Já não me lembro de ver um casal tão feliz quanto a Vizinha e o Anónimo. Eles encaixam… A felicidade deles faz-me sorrir… Aqueci o meu coração observando-os e bebericando o tinto frutado mas encorpado que o Anónimo me serviu. Ainda perguntei se precisavam de ajuda com alguma coisa mas foi-me apresentado o sofá… Juntei-me ao 100Modos que também já lá estava recostado e assim que ficámos​ sós, ele também partilhou comigo a alegria de ver aqueles dois juntos… Adoro partilhar esta cumplicidade com o 100Modos, selamos a felicidade com um brinde e sorrimos.

O jantar correu de feição, a comida estava deliciosa e provou que até na cozinha aqueles dois resultam… Fomos bem regados e a conversa fluiu sempre animada, bem disposta, com algum humor negro à mistura.

Fim do jantar. A Vizinha vai preparar os digestivos e num dos nossos rasgos, eu e o 100Modos lançamo-nos à cozinha e lavamos a loiça sob protestos do Anónimo. “Ainda vão pelo condomínio dizer que vos exploramos!!! Parem lá com isso!” Um sorriso dos nossos, ouvidos de mercador e lá terminamos a tarefa.

O olhar dos nossos anfitriões estava diferente por esta altura. Ambos nos observavam na porta da cozinha com as bebidas na mão e a energia mudou.

Já na sala, os quatro no sofá fofo, meninas ao centro e rapazes nas pontas, a conversa continuou… Deliciosa, a Vizinha estava quentinha e adorável. Gosto tanto da minha amora… Doce e forte!

Como almas fogosas que somos, às tantas já estávamos enroscadas​ uma na outra, quais gatas a ronronar… O Anónimo ia acariciando as costas e coxas da Vizinha, o 100Modos observou durante algum tempo como bom voyeur mas as mãos dele também se aventuraram pelo meu corpo… Afinal, já conhecia aquele toque de algum lado e não me incomodou, de todo…

Pensava eu que a brincadeira ia ficar por ali e cada um tomaria o seu rumo e mataria a fome que ali estava a crescer da forma que estivesse mais à mão quando a Vizinha me beijou. Os lábios pequenos e quentes tocaram os meus e deixaram-me tonta, excitada. Ela de seguida acariciou o 100Modos, percorrendo o seu pescoço, descendo pelos ombro e braço, enquanto se encaixava no meu colo e me beijava outra vez, mais quente, mais gulosa…
Repliquei o toque dela no Anónimo que se arrepiou.

Quando dei por mim estava sentada no colo do Anónimo, costas nuas encostadas ao seu peito pernas abertas e seguras pelas dele. A Vizinha gulosa provava a minha pele e dirigia-se vertiginosamente para o meu sexo, enquanto o 100Modos me beijava a boca e o Anónimo ia roçando a sua crescente tesão no meu rabo que inconscientemente e em cadência crescente se meneava… As barbas na minha pele contrastando com a seda do toque da Vizinha levaram-me para um plano áureo, além… Sei que nos misturamos e durante aquele serão as peles e os cabelos foram um misto de gemidos e grunhidos e prazer…

Todos os sabores misturados na minha boca, os cheiros misturados na minha pele… Aquele cansaço delicioso, o sexo ainda a pulsar dos múltiplos orgasmos…

E fui depositada na minha cama com um beijo terno do 100Modos… Acordei, nua, com o gato a roçar-me a derme ainda sensível… Será que aconteceu mesmo?!

Sorrio, pego no telefone, faço uma chamada…

© VickyM 2017 #69letras

Shhhhh

Silêncio…
Precioso e assustador…
Queria calar os sons do mundo, as vozes vazias à minha volta, a minha própria voz… Queria nada ouvir, nada escutar…
Preciso de momentos a sós, de parar, de sentir, só sentir…
Deixar-me ser invadida por energia, energia sim, sem som, sem face, sem forma… É o barulho deste mundo que fala tão alto que me tem de cabeça cheia, de vozes inúteis, de ruídos efémeros…
Penso e não penso claramente, a minha voz sai arranhada, amachucada tentando contornar o impossível de contornar…
Escrevo e as palavras embrulham-se, misturam-se, atropelam-se…
Tão ligada e no entanto desprovida de energia. Gritando ao mundo o que sinto tentando que prevaleça essa réstia de luz e ressacando silêncio… Apenas e só silêncio…

© Vicky M 2017 #69letras