Arquivo da Categoria: Lilith

Fantasias a pedido

TEXTO ERÓTICO M|18 󾬥 󾬥 󾬥󾬥 󾬥 󾬥
Retribuição do desafio da #Lilith
A nossa amizade é curiosa, não é só colorida, é um verdadeiro arco-íris.
Passamos meses sem nos vermos, inevitavelmente assim que nos reencontramos acabamos nos lençóis, temos uma química surreal no bom sentido.
Nas tuas próprias palavras seríamos péssimos namorados, gostamos demasiado de controlar, personalidades demasiado rebeldes e independentes, como amantes somos fogo e oxigénio, combinação perfeita. Destemidos, aventureiros e acima de tudo sinceros mutuamente, comprometemos-nos a realizar as fantasias eróticas um do outro e, na verdade temos criado momentos mágicos e inesquecíveis.
 
Espero hoje realizar-te outro desejo.

Continuar a lerFantasias a pedido

Apeteceres claros em mentes perversas

M18/Texto erótico 

Pudores não combinam com vontades. E quando falo em vontades, só para que fique bem claro, falo em tensão de corpos esfomeados.  Continuar a lerApeteceres claros em mentes perversas

Dona e rainha das minhas vontades.

M18/ Texto erótico 

Sozinha me deito envolvida somente pelos lençóis de cetim negros. Sinto-me bem comigo mesma. Conheço-me melhor que ninguém. 

Cada grito mudo de tesão, cada poro de desejo e até mesmo cada abismo de orgasmos arrancados do meu ser. E em todos eles fui dona e senhora do meu corpo. 

Até que  ELE me assombra. Diabo em forma de gente.  Sucumbir ao seu poder, é beber do seu doce nirvana e implorar por mais.  Continuar a lerDona e rainha das minhas vontades.

Rendição de Lilith, parte 2

M18/Texto erótico 

A ponta da língua que brinca com os meus mamilos, vergastadas de um flogger no meu estômago ao de leve, um Strap entalado em mim que se manifesta inesperadamente em estocadas cada vez mais profundas e rápidas e um pénis enfiado na minha boca sôfrega e desesperada. Uma autêntica orgia nos meus 5 sentidos!

Continuar a lerRendição de Lilith, parte 2

A rendição de Lilith

M18/Texto erótico

 

Hoje entrego-me às vontades alheias do meu submundo. Criaturas da noite anónimas que fazem as minhas delicias.

Entro no clube restrito usando somente uma gabardine, um cinto de ligas, saltos altos e muita tesão. Sou a única sem máscara. Já me conhecem e sabem para o que venho. Inclinam-se à minha passagem.

-Senhora! É uma honra sua presença! Seus súbitos a esperam.

-A sala vermelha está pronta para mim?

-Sempre minha deusa.

-Quero os laicos do costume.

Portas abrem-se à minha frente até à sala do meu desejo. Aqui sou rainha! Aqui impero!

O cheiro do cabedal inebria-me os sentidos. As paredes cobertas de velas e brinquedos. Straps, mangas, mordaças, chibatas, plugs, ovos, floggers , enfim. Tudo o que é necessário para várias horas de tortura divertida. No meio da sala um baloiço, o meu trono e três escravos de joelhos à espera das minhas ordens. Dois escravos e uma escrava todos de máscara branca posta.

-Uma honra minha deusa!

Dispo a gabardine. De peito firme, rabo nu e  sexo ansioso pelo que há-de vir. Sento-me no trono e um dos escravos masculinos começa por lamber-me a ponta dos sapatos. A escrava começa por me prender os pulsos ao trono. Ambos sempre cabisbaixos.

Sei que parece confuso. Uma deusa sujeita aos caprichos de seus discípulos mas agrada-me. Serve para disciplinar-me a alma.

Prendem-me os tornozelos também ao trono e  colocam-me a venda. Reduzida ao trono assim me deixo ficar. Livre de pensar e entregue aos sentidos. Que comece o festim no meu corpo.

Nua e exposta aos caprichos de outros. Meu corpo em constante alerta. Sinto os passos à minha volta. Antecipo os seus toques. Sinto calafrios.

Inesperadamente sinto um toque de uma pena de pavão no meu estômago. Como algo tão suave pode provocar uma onda de choques no meu corpo. A pena percorre meu corpo até ao meu sexo. Hummm doce sensação de veludo a beijar-me entre pernas mas interrompida por uma vergastada ao de leve no peito.

Ahhhh! Meus sentidos já quase adormecidos pela suavidade da pena despertam em alerta máximo. Hummm doce tortura que me alimenta a alma!

E de repente faz-se silêncio. Pressinto seus passos a afastarem-se de mim e quase que me sinto abandonada, não fosse o sentir do trono a estender-se numa cama. Aquele som de metal a ranger que me inquieta o espirito complementado com o afastar das pernas.

Mais vulnerável que nunca. Sinto meu coração a bater tão forte que quase que salta do meu peito.

Sinto alguém a soprar-me ao ouvido. Estranho mas acalma-me. Uma boca que me beija. Não consigo distinguir de quem mas também o que interessa. Aqueles lábios parecem cantar-me uma musica de embalar e envolver-me numa falsa calmaria.  Entretanto sinto enfiarem-me um ovo em potência máxima dentro de mim. Hummm sabe-me tão bem. Excitada e estimulada ao máximo.

Até que de repente, AAAHHHHHH ! Alguém me penetra sem aviso prévio numa estocada única. Os lábios doces desaparecem e o que eu consigo identificar como um Strap masculino pelo toque de borracha nas virilhas, pára  imóvel dentro de mim. Não consigo evitar uma tentativa frustrada de libertar meus braços que continuam presos. Distraio-me com o passear de um flogger no meu corpo.

Mais uma estocada, desta vez mais funda. E o cabo do flogger nos meus lábios que por instinto o lambem e chupam.

Duas estocadas seguidas. Fundas e rápidas. Minha boca geme compulsivamente até que um dos laicos decide calar-me com o seu sexo na minha boca. Huuummm.

Sinto duas mãos que se deliciam com o meu peito. A ponta da língua que brinca com os meus mamilos, vergastadas de um flogger no meu estômago ao de leve, um Strap entalado em mim que se manifesta inesperadamente em estocadas cada vez mais profundas e rápidas e um pénis enfiado na minha boca sôfrega e desesperada. Uma autêntica orgia nos meus 5 sentidos!

Continua…

 

©Lilith 69Letras 2017


Obtém 10% de desconto em todas as tuas encomendas! 69 novas formas de prazer!

Regista-te em www.aubaci/69letras

 

 

 

 

Teu sangue, meu prazer.

M18/Texto erótico 

 

Mais uma noite que se anuncia fria. E eu gosto assim. Procuro em rostos comuns aquele que eu perseguirei esta noite. Eleger a presa requer perícia e paciência. E hoje apetece-me ratos de laboratório. Continuar a lerTeu sangue, meu prazer.

Com a Lilith não se brinca

M18/Texto erótico

-Dona Lilith, importa-se de chegar ao meu escritório.

-Sim.

Após a nossa sessão de sexo no carro as coisas voltaram à normalidade. Quer dizer pelo menos para mim. Os olhares intensos e faltas de concentração do chefe são constantes mas não mexem comigo absolutamente. Nem mesmo um toque indiscreto nas minhas costas no elevador, cujo o qual ele percebeu de imediato pelo meu olhar frio de desaprovação que não tinha minha autorização para tal.
Continuar a lerCom a Lilith não se brinca