Arquivo da Categoria: 100 Modos

MissKitty, espero que não nos mates

100Modos

Nem era tarde nem cedo. Estávamos na véspera do aniversário da MissKitty e queríamos preparar um presente para a deixar babada e toda contente da vida. Comigo estava a VickyM que tinha vindo tratar de uns assuntos e se cruzou comigo, aproveitei para partilhar. Assim que lhe falei na ideia mostrou-se inteiramente disponível para colaborar. Por ela era um banquete cheio de coisas boas e muito bom vinho pronto a beber, música ambiente e com karaoke no fim. Mas não podíamos, pelo menos não nesta fase e sem mais dias de manobra. Na véspera, encontrei-me com a VickyM na esplanada ao sabor de uma bela cerveja preta aconchegados com o calor do fim da tarde que nos aquecia a pele… E não só.

Peguei no telemóvel e liguei para a Kitty.

Atendeu do outro lado uma voz meio ensonada, parecia que tinha estado a dormir. E esteve. Ficou surpreendida, comoveu-se com a surpresa. A VickyM estava atenta ao meu lado a ouvir a voz da Kitty através do meu telefone. Foi mesmo surpresa, andava meio adoentada porque  este tempo não perdoa, diria que tem uma espécie de TPM… E sabíamos que ela precisava desta boa energia.

Combinamos as horas e obrigámos que não cozinhasse nada. Absolutamente nada! Nós trataríamos de tudo. E assim foi. O resto da tarde tratámos dos preparativos para o dia seguinte.

O dia estava meio farrusco. Daqueles dias que dá vontade de ficar por casa. E não iríamos fazer por menos. Bem preparados fomos ter ao andar da Kitty. Ai ai, este elevador do condomínio… Sempre lentinho… Soltámos um sorriso denunciante enquanto esperávamos. Quando chegámos à porta da Kitty, batemos. Não ouvimos som nenhum. Olhei para a VickyM que me obrigou a bater com mais força.

“A ir!!!!!”

Ouvimos. Instantes antes de ela destrancar a porta de casa para nos receber… Fugimos. Fugimos pelas escadas de emergência do condomínio. Deixando-a à toa… E não só. Paralisada, um pouco assustada de início mas curiosa. Ela claramente não contava com isto, com esta surpresa. Não demorou muito para se sentir com calor e colocar a primeira pergunta…

VickyM

“És tu o meu jantar de aniversário?”

O homem de corpo torneado, moreno com olhos cor de mel e vestido a preceito acenou sem proferir palavra e, estendendo a bandeja ofereceu-se à Kitty que estava aturdida com toda a situação…

Então eu e a peste do 100Modos preparamos uma noite de princesa para a nossa vizinha. Escolhemos um Beef Wellington acompanhado de legumes salteados, regado por um Escultor, alentejano, envolvente e cheio de fruta madura e servido por uma escultura de homem, bem ao gosto da nossa Kitty.
A noite teria além da refeição, uma massagem de relaxamento e uma lap dance, que esperávamos nós, iria envolvê-la num mood de calmaria que era o que ela bem precisava!

Mal sabíamos nós que a nossa escolha para esta noite já conhecia a nossa Kitty de outras paragens, de uma outra vida como ela em jeito nostálgico nos dizia às vezes.
Depois de a porta se fechar, levei o 100Modos a jantar para comemorarmos a nossa proeza. Enviamos uma mensagem simples dizendo “Esperamos que gostes e não nos mates” à qual nunca obtivemos resposta.

“Calma Vicky, ela deve estar a aproveitar…”

Regressamos ao condomínio onde ecoavam gemidos. Gemidos de prazer puro. Olhei para o 100Modos e sorrimos os dois, lascivos…

“Acho que a coisa correu bem”
“Acho que sim… Amanhã vou querer saber detalhes…”
“Vicky, os detalhes são audíveis…”
“Isto é mais do que prazer, não sentes?!”
“Sinto pois… não se vê?”

Ai Kitty, conta-me e agradece-nos depois…

© 100Modos 69 Letras® e VickyM 69 Letras® 06.05.2017

 

A Vizinha da frente 5

| M18 | Maiores 18 |

Estava ansioso para chegar a casa. Sentia-me sujo e cansado. Dia de loucos e como se não bastasse tinha acordado atrasado o que me dificultou o trabalho que tinha para o dia. Não tive paciência para aguardar pelos transportes, era hora de ponta, céu meio nublado a pedir chuva e consegui imaginar na perfeição o quão cheio viriam os autocarros. Fui a pé.

Quase na chegada a casa observei a janela da vizinha do prédio da frente. Desde o último aparato nunca mais a vi, nem a observei como habitual.

Estaria ausente? Tinha ido embora? O que era feito dela?

Este sentimento de preocupação misturado com o desejo ainda me excitava mais. E andar o dia todo excitado é complicado… Principalmente quando não nos controlamos.

Chego a casa e meto-me confortável, preparo-me para um duche. Hoje nem jantar iria fazer, assim que terminasse o banho ia enfiar-me na cama para compensar e recarregar as energias. Deixei a água a correr e fui à cozinha. A sede instalou-se no meu corpo e fui procurar algo fresco. Bolas… Precisava mesmo de ir às compras, não tinha rigorosamente nada. Bom, água serviu.

Meti-me no banho e a minha cabeça ficou cheia de pensamentos eróticos com aquela alma… Não demorou muito até que a excitação surgisse… Tinha que me controlar… Mas… Não conseguia.

Comecei a tocar-me… Lentamente… Encostei-me com as costas nos azulejos na parede. O frio dos mesmos fez com que me arrepiasse todo. Foi bom até. Mas… Senti-me esquisito. Talvez a água estivesse muito quente. Regulei a temperatura para gelar mais a água. Foi pior… Afastei-me da parede e agarrei-me à porta do chuveiro.

“Algo está errado comigo… Acho que estou a perder os sentidos… Tenho…”

Não conseguia raciocinar mais e a única coisa que fiz, através de reflexos, foi sair do WC e dirigir-me até ao quarto. Esbarrei com toda a força na ombreira que dava acesso ao quarto e aos tropeções fui em direcção à cama. Merda, deixei a água aberta… Mas alguém estava a mexer na torneira e fechou… O quê?! Perdi os sentidos…

Algum tempo depois…

Ouvi um sorriso. Um sorriso familiar. Um sorriso de troça mas angelical. Sentia os olhos pesados, ainda precisava de esperar um pouco. Um cheiro que reconheci imediatamente fez-me querer abrir os olhos a todo o custo. Esforcei-me mas ainda via tudo muito turvo. Tentei soltar umas palavras mas um dedo húmido impediu-me de falar. E assim obedeci. Mas que pressão era esta?? Ok, percebi que alguém estava em cima de mim, sobre a minha cintura. Tentei mexer-me mas em vão. Foi então que o aço me magoou a pele dos pulsos. Estava algemado à cama. As tais algemas. Mas?! Seria ela? Claro que era… Quem mais poderia ser?

– Se és realmente tu… Hoje não sais daqui! – Fiz questão que ela ouvisse.
Já aqui estou desde ontem hmmmm… – Aquela voz… Tal e qual a voz que ouvi quando fui ao prédio dela… – A prova disso é que tu de manha saíste tão rápido e não me viste dormir na tua sala… – Acrescentou.
– Eu estava atrasado… – E fui calado de imediato por dois dedos, igualmente húmidos que entraram na minha boca.
– E eu estava pronta… Tal como agora… – Gemeu.

Que sabor… Era o sabor dela… Estava completamente entregue ao momento e assim que a confirmação se instalou não procurei mais respostas. Agora já conseguia abrir os olhos e ver. Só naquele momento é que percebi que estávamos ambos nus. A beleza dela era desconcertante. Linda em todos os aspectos e um diabo angelical provocante que ia dançando em cima de mim ao som do momento. Estava tão entesado que as veias eram visíveis e ela apenas me tinha dado a provar o seu néctar dos deuses.

– Gostas de me espiar não é vizinho maroto? – Questionou naquele tom inconfundível. – Pois então agora vais continuar a observar!

E deu-me a provar de novo os seus dedos…

Começou com uma dança sintonizada com os gemidos que ia soltando, sem me colocar dentro dela. Apenas com a sua cavalgada lenta que deslizava no meu membro coberto deste licor que me fazia doer a alma por não poder servir-me à vontade. Que sensação. Esta mulher sabia realmente o que fazia e o que me fazia. Se era assim apenas a deslizar em mim… Aproximou a cara dela junto à minha e soprou-me de leve e apenas para “provar” o seu aroma. Frutos vermelhos… Oh fuck. Queria aquela boca. Beija-la furiosamente. Parte de mim naquele instante tornou-se animal e apenas me preocupava com a necessidade de alimento. Procurei libertar-me mas em vão. A minha cama era tão boa como as algemas. De seguida passou a sua língua no meu queixo deixando-me ainda mais doido. Sorriu.

Agora tinha-se levantado e manteve assim para que eu observasse o seu corpo. Tocou-se para mim e o meu coração quase colapsou. Conseguia ouvir os demónios dentro de mim a suplicar piedade. O meu membro palpitava ao ritmo do meu coração e ela decidiu piorar as coisas… Virou-se de costas para mim e sentou-se por cima de mim, deixando o meu membro entre as pernas dela mas não no seu interior. Ela olhou para trás e piscou-me o olho e começou a fazer algo com as mãos no meio das suas pernas. Oh meu deus…

Se não soubesse o que estava a fazer diria que estava dentro dela… Foda-se que sensação. O que ela fazia era claramente um pecado. Além da visão divinal que tinha de toda a sua traseira… Eu não me consegui conter muito mais. Ela não parou. Ela queria mesmo avançar com aquilo até ao fim e assim foi… O orgasmo foi tão intenso que me magoei seriamente nos pulsos, ficando em sangue e ela não parava de me tocar, mesmo depois de me vir… Eu já soluçava para que parasse mas nada… Fez questão de continuar até um segundo orgasmo… Eu já tremia. Desta vez parou… Voltou-se para mim e libertou-me. Não tinha qualquer força para me mexer. Saiu de cima de mim e disse algo…

– Desta vez ficamos assim vizinho cusco. Darei noticias. – E vestiu-se. Não me respondeu a qualquer pergunta que fiz entretanto, apenas me piscou o olho, foi ao WC abrir novamente as torneiras e saiu. Uma solidão fria esbateu naquela divisão.  Tive que fazer um esforço, e que esforço, para ir lavar-me. Estava todo sujo e tinha os pulsos ensanguentados. Desloquei-me até ao WC mas ao passar na sala vi na mesa algo… Umas algemas… De novo???

Não. Estas foram as primeiras que recebi…

As que estavam na cama eram novas? Mas porquê? O que queria disto dizer? Milhares de pensamentos penetraram a minha cabeça naquele instante. Mas primeiro… Banho.

© 100Modos 69 Letras® 04.05.2017

A Vizinha da frente 4

O calor que emanas em mim

Tens um poder sobre mim que não sei explicar, apenas sentir. E sinto-o mesmo.
Poderia dizer que me enches o peito, que me fazes sorrir, que me deixas desamparado e atrapalhado sem conseguir pensar direito.

Poderia. Mas se fosse só isso…

A tua presença esbate em mim pacificamente e revela uma sensação de calor. Um calor que não queima mas que incendeia, lentamente… Que vai devorando cara minuto que espero para poder aproximar-me de ti. É um calor sentido à distância. Sabem aqueles arrepios que vos dão quando ouvem uma música que vos faz ficar com pele de galinha? É isso, mas em forma de calor.

O amor é sentido de varias formas e isso ninguém pode negar. Que é amor não duvido. Mas nunca o senti desta forma. Já quase todos sentimos amor por alguém, retribuído ou não, mas já sentimos. E também já sentimos o efeito que isso tem nos nossos corpos. Em tempos, lembro-me perfeitamente, parecia que o meu coração ia saltar do peito para fora ou até mesmo que me congelavam as mãos. Desaprendia a andar, dizia coisas sem nexo nenhum… Até um simples cumprimentar com dois beijos na cara nos deixava a desejar fugir dali para fora. O que segundos depois era motivo de conquista.

Não sei porque o sinto tanto e desta forma.

Sabe bem, e por aqui pairo vivendo esta sensação que cria um mundo à minha volta e que nada mais importa. Quero mais. Muito mais. Arde-me se for preciso. Mas este calor que emanas em mim é qualquer coisa.

© 100Modos 69 Letras® 04.05.2017

Jantares da 69 Letras

Texto Erótico | M18

Neste texto ficou bem patente de como são os jantares dos moradores do prédio da 69letras.
Hoje foram todos desafiados pelo Vizinho a escrever olhos nos olhos e o resultado foi um misto de tesão, desejo, vontades e prazeres. Ainda se tentou colocar ordem mas foi impossível… Estava tudo ao rubro!

Como o mote foi lançado pelo Vizinho, ele mesmo começou…

Vizinho.
Preto e branco, as cores da 69letras. Requinte, glamour e sedução, 3 pratos a ser servidos bem quentes nesta noite de festa e união. São assim os jantares do condomínio no n°69 da Rua dos Prazeres.
Misses Kat.
Cheguei atrasada… Clarooooo procuro pela Vicky que é a parceira do crime antes de lhe dar um valente apertão dou de caras com o meu vizinho de baixo…. 100 Modos, o fofinho que me entreteu no dia dos namorados.
100 Modos.
A fruta chega e a Lola dispõe-se para que os empregados a enfeitassem com as diferentes doçuras disponíveis. Começaram pela parte de cima. Morangos, uvas, mirtilos e umas natas… Nós, rapazes ficamos de imediato com água na boca mas elas… Babadas. Nem mais. Babadas. Não éramos os únicos com o apetite aguçado… O Vizinho tinha os olhos a brilhar, eu já soltava as primeiras pingas de suor, o Sassetti falava através do silêncio gritante de fome, o MauFeitio embora longe estava bastante atento mesmo com desculpas de não puder comer doces… O Anónimo mantinha-se… Anónimo. Até que a Misses Kat decidiu chegar à frente… Atirou-se às natas…
Vicky.
Ao ver a boca da Kat lambuzada não resisti a partilhar um morango coberto de chocolate… Tirei-o da minha boca e mergulhei-o nas natas… Da boca dela…
Depois de saborear a mistura… Fiz com que o Vizinho me provasse, enquanto escorria chocolate e ele se lambuzava em framboesas…
Lola.
Humm… Deus!!!! Sentir aquelas mãos todas, aquelas bocas, o meu corpo não resistia… Que tesão!! Não iria me controlar por muito mais tempo.
Miss Lost.
Controlar, controlar as situações, dominar…
Dominar estes corpos escaldantes e ciosos de prazer…
Sasseti.
Situação difícil, continuar o jantar ou simplesmente deixar cair o garfo e fazer uma incursão por debaixo da mesa,.. Na verdade não é nada difícil… lá vai o garfo… Vai 100Modos, afasta esses pés, sou grande. Lolita, onde estás tu? Deixa ver, Misses Kat á direita, Vicky á esquerda…. Vizinho, chega-te para lá, Lola finalmente, conta-me lá os teus desejos babe…
Miss Lost.
Desejos todos temos
Desejos cometidos
Provados
Desejos pensados
Se se atrevem tornem possível esse desejo de passar à prática e larguem os talheres. Avancem com a boca quente de desejos!!!
Poeta Solitário.
Talheres? Já me esqueci o que essa palavra significa!!!! Só me vem à cabeça a vontade, o desejo de “comer”… E com esta “fome”, não preciso de talheres…
Miss Lost.
Dava… Daria se este desejo me submeteria à escravatura de posse. Posse de ser possuída e tornar-me escrava desse desejo.
Vontades… Vontades de luxúria… Oh corpo! Porque me deixas assim!!!
Lambuzada estou eu, perdida… Claro, daí o meu nome
Perdida “Lost”…
E fico perdida e entregue a estas vontades, a estes desejos…
Nestas ânsias de nesta noite, sentir algo que faria de mim ou de nós mulheres mais satisfeitas!
Sasseti.
Desejos, vontades, o misterioso mundo dos prazeres da carne, da tentação, do tesão.
Das vontades com vida, com luz própria, com saliva, com lábios cerrados, com línguas à solta.
Miss Lost.
Línguas dançando e entrelaçadas bailando entre si porque o desejo, a tensão aperta e é nos beijos intensos com Alma que nasce esse desejo de posse e de entrega entre dois seres…
Oh! Deus por que me criaste assim…
Krishna.
Feita gulosa
Comi uma chamuça.
Picante como o….crl!!!
RiCCo.
O Anónimo e a Vizinha devem estar de boca cheia daí não falarem, o verdadeiro 69.
Vizinha.
Limpo os beiços ao braço e de joelhos prostrados nos chão olho ao redor e… QUE DELEITE!
Uma autêntica salada de frutas humana e eu apenas agarrada à banana do Anónimo.
Meu amor olha para a quantidade de bocas e frutas! Vamos nos servir de mais?
Miss Lost.
Vamos começar dos preliminares, está quente e queima.
Queima de tal maneira que mundo começa a girar a uma velocidade louca de êxtase…
Será da sangria?
Não, não me parece afinal somos masters nesta arte!
Arte sim… e que arte!!!
Calor, cheiro, toque…
Toque de prazer e luxúria. Perdida fico no teu corpo que anseio por tornar-me escrava desse prazer.
Sasseti.
São desejos, assim mesmo, sem razões nem porquês. Mas quem quer saber de razões para a vontade.
Poeta Solitário.
Agora percebo Camões… Amor é fogo que arde sem se ver… Fechou um olho e deixou-se levar pelo Desejo e pelo Prazer.

MauFeitio.
Amor, palavra inquieta que trás tantos segredos, tantos sonhos e fantasias outrora esquecidos, o tempo passa e o amor… O amor torna-se forte como a própria vida, recheada de doces paladares cada vez mais intensos, mais apaixonados, mais incessantes, o primeiro beijo é como o ultimo beijo, a saudade que aperta…
Anónimo.
Eu que sempre me mantive Anónimo neste tipo de coisas de repente me vejo rodeado de belos corpos de ambos sexos, lambuzando-se e abusando uns dos outros!! Eu com a minha Vizinha gozando de um mundo só nosso, sinto o toque da Marie percorrer o meu rabo, o Vizinho saciando-se da fruta nos peitos da Lola, a Vicky a gozar do toque da Misses Kat, o 100 Modos, reservado observa de olhos bem cheios e lambões. Mundo este perverso, ainda novo para mim mas, tão delicioso!!!
Misses Kat.
Aiiiiiiiiii onde me vim meter! Entre morangos, sangria, talheres no chão, pernas descobertas e decotes prenunciados que me fazem querer arrancar botões e camisas alheias… Isto é demais para mim, nem sei para onde me viro, é demasiada informação, esta Vicky deixa me doida e sabe disso, só me apetece deixá-la vermelha, cor de rosa e roxa… As minhas cores preferidas num rabo. A Lola bem se ri com o meu desespero e urgência de cravar unhas onde não devo.
Lola.
Misses Kat, castiga-me! Estou desejosa de experimentar a marinete no meu rabo, marca-o como um 69 genuíno.

Misses Kat.
Aiii Lola! Sabes que não gosto de coisas pequenas. Pedes a martinete mas eu gosto de tiras de couro e não se veludo.
A Marota.
Depois de te saborear, de me lambiscar até à tua exaustão fico com vontade de te esfregar sei lá onde!!! Uiiii, só de pensar…
Miss Lost.
Saborear… saborearmo-nos entre estes corpos suados. Esse teu suor em mim que me provoca a
Loucura, desse teu corpo em mim lambuzo me no teu suor…
E penetras-me!
RiCCo.
Luxo é ver tanto corpo suado a saborear cada pedaço de pele já marcado pelo chicote.
Lola.
Dá-me! Atiça-me! Faz de mim tua coelhinha!
Alive.
Está lavadinho, sim senhor… Posso confiar! Suspeito que o extremo cansaço deve-se aos movimentos de esponja molhada e suave, corpo acima e abaixo…
MauFeitio.
Eu penso, penso, logo existo, a vontade que ferve no meu sangue, a Lola com o seu sorriso de segundos sentidos, Misses Kat com o seu ar de pecado que faz estalar os chicotes da alma, os Vizinhos inquietos nas suas vontade de deliciar o mais inquieto dos pecados, um Anonimo que tenta o ser quando pode e não quando quer, um Mau Feitio sentado no ponto de fuga mais rápido, um ReadMymind cansado, saboreando a sangria para ganhar vontade, meninas, meninos, como recordo um celebre filme da minha adolescência, Top Gun, isto é um ambiente rico em alvos… Vou ali cortar os pulsos…
Vicky 
A memória do jantar entre rapazes vêm e deixa-me inundada… Convido a Marie a juntar-se a mim em beijos de provação… mesmo em frente ao Vizinho, ao 100 Modos e ao 7th Sin que chegou vindo do nada e com uma tesão visível…
Marie.
Do outro lado da sala, onde os olhares calados se matam e as humidades transbordam, a pele na pele, o pé na perna… O desejo toma forma… Fálica…
100Modos.
Sentado e observando este cenário em mim cresce uma sede que já se torna impossível de alimentar através do olhar. Depois do que a Vicky fez à Marie, o meu espírito deixou de habitar no meu corpo e entregou-se à luxuria… Assim como eu me entreguei às pernas da Vicky. Cansado de encher a barriga com o olhar, saboreei cada bocado da sua pele e do seu interior, doce, salgado, viciante, uma mistura de sabores indescritíveis que me fazia delirar por mais. Tudo tinha saído disparado da mesa, copos e pratos partidos no chão e eu pronto para investir as suas ancas, desesperado e num ritmo frenético queria servir-me dela, sem maneiras nem modos. Foda-se, a minha sobremesa.
Anónimo.
A certa altura perco a conta as loucuras que vejo e que participo, as mãos que percorrem meu corpo, o jogo de línguas entre corpos… O Ricco completamente dominado pela Lola, Vicky e Misses Kat com o chicote percorrendo seu corpo nu enquanto a Marie lhe percorre o corpo nu com suas “garras”… O Vizinho quase babando de tal êxtase já nem se lembra de sua gripe, o Sasseti tocando a Miss Lost ao de leve, esta húmida mordendo os lábios!! A noite ainda vai uma criança!
Sasseti.
Na minha cabeça já só ecoam os teus ais cadenciados.
Tenho bem presente o teu arfar empenhado, os teus gemidos compassados, a tua vulva encharcada e eriçada à passagem da minha língua.
Já abundam pensamentos que me fazem desejar os teus mamilos hirtos, rijos, tão rijos quanto o meu membro, que quase explode de tesão com o toque dos teus lábios.
Tenho já cravado em mim o teu perfume discreto, a tua pele macia, cuidada, o teu rosto carente, o teu empenho, a tua boca empenhada no meu membro, fazendo-o desaparecer por completo para meu delírio.
Sinto já as tuas nádegas nas minhas mãos, macias, redondinhas, empinadas, consigo até ouvir as palmadas que lhes darei e às quais tu responderás ainda com mais vontade, como se isso fosse possível.
Arrepio-me com a vontade da tua língua a percorrer-me o corpo, das tuas mãos pequeninas quando me mimam, quando teimam em cuidar de mim com carinho.
Sinto os teus beijos no meu peito, a tua língua nos meus lábios, os teus dedos no meu cabelo, enquanto os meus se escondem bem fundo na tua vulva.
7th Sin.
Pronto a pecar, deleito-me no teu peito! Teus cabelos espalhados entre suor e desejos carnais fazem de nós pecadores para além da razão! E essa já não importa nada…
Não neste momento…
Não neste mundo!
A mesa do jantar parece-me o local ideal!
Agarro-te na cintura!
Deito-te na mesa!
Levanto-te a saia!
Rasgo-te as cuecas!
Jarro de sangria c’o caralho!
Vou-te foder!
Agora!
Marie.
Ai foda-se!
Misses Kat.
Lola Sua safada, estás a gozar comigo e eu a deixar! De coelha não tens nada mas se queres eu dou-te o que queres… Agarro-te no pescoço, pelo “cachaço” como gosto… Faço-te baixar, obrigo te a te pores de joelhos como gosto.
Agora lambe.
Grrrrrrrrr put@ de tesão! Lola lambe uma das minhas perna, Vicky na outra de joelhos… Começo a não conseguir esconder o óbvio… Alguém me pede pra me provar, deixo?!
Krishna.
Não deu… Se vocês soubessem… Eu, a Vizinha e a Vicky não aguentamos…! E no rápido momento tivemos de arrefecer o entre coxas da Vicky… Só nós sabemos…
Anónimo.
O Mau Feitio agarrado ao seu “sexo” tal o seu entusiasmo ao ver tanto sem pudor sente-se perdido!! A Lola olha-o de esguelha e procura-o!! A Marie e a Lola trocando olhares sabem que o próximo alvo é o Mau Feitio!! De joelhos, cavalgam na sua direção! Entre suores de excitação e nervosismo ele nem sabe o que o espera!!!
Lola.
Ofereço-vos gelo, passo pelos vossos corpos com a minha boca.
Vicky.
Sim, não eram só as minhas coxas que ardiam… Eu escorria, vertia e ansiava… Preciso ser preenchida…
A Marota.
O Mau Feitio está todo transpirado, mãos a tremer, testa a brilhar, sorriso sem jeito… Posso confirmar.
Vai sair de fininho com o avale do parceiro de mesa.
Fogeeee rapazzzz!
RiCCo.
Kat, Lola e Vicky castigaram-me ao ponto de excitação máxima. Chegou a hora de pegar mais estou sedento ainda, olho do canto da sala e ainda há corpos com tesão por esgotar, hoje não há quem segure tanto êxtase, vou encontrar a Lost na sala seremos dois perdidos.
Lola.
Kat, ajoelho-me perante Vossa Alteza, deixe esta submissa deleitar-se no seu monte Vénus!
Miss Lost.
Aqui não há assistentes são todos intervenientes.
Nestes desejos carnais…
Selvagem…
Todos apimentados pelo pecado!
Esses corpos reclamando por serem possuídos aqui mesmo! Na loucura total…
de sentir o verdadeiro hilariante orgasmo de um master 69!
Poeta Solitário.
E de repente a mesa ficou vazia… O calor era tanto que a acção passou para o exterior!!!
ReadMymind
Que pena não vos poder dizer o que vejo!
As vontades que leio!
A fome que me dão!
Estou cansado diz a Dama que me inebria com o perfume.
Não estou inspirado, tenta-se fazer ouvir a mulher de preto esguia de corpo…
Jesus que me perco com o vestido da Miss Kat! Deverei ter medo ou tesão?
E a tranca da Lola…
Lola de perdição!
Tens um vestido que da uma tesão!
Os homens que me perdoem a falta de atenção…
O olhar da Marie que me prende a atenção…
Bastardo.
Já são delírios de corpo, misto de fluidos e mescla de cheiros, sentidos exponencialmente elevados incapazes de processar tanto prazer desejo e Luxúria.
ReadMymind
Porra! Esqueci-me da racha da Vicky!!
Loura! Dá uma volta!! Miss Lost!!!
7th Sin.
Foi um prazer voltar a estar com o melhor blog do Mundo!
Um beijo carregado de Luxuria!
Miss Lost.
Adorei a presença do Mr Sin
Aliás o meu padrinho!
Que tanto me ensinou e me resgatou para a escrita…
Lost in Sin assim ficou!
Aqui estou eu perdida nas memórias de um dos melhores da escrita e que me ensinou a voltar a sonhar com os seus textos! Beijos de coração 7th Sin ❤️
Vicky.
Olha que beber é uma arte… Aventurem-se… Quem for melhor a abocanhar o gargalo do shot ganha a noite…
RiCCo.
E o Anónimo no íntimo do seu anonimato faz sinal ao Vizinho e dão o mote para que a sobremesa destas Domme’s sejam servidas em nós. Apoio a ideia e ainda com os lábios salgados do shot, coloco um morango na boca. Que menina o tira?
Anónimo.
A minha Vizinha percorre sua língua no meu corpo de forma que tanto me excita, o Vizinho entretido em pudores com as curvas da Lola e toda a sedução da Marie, o Ricco em êxtase com a beleza da Miss Lost e seu toque sedutor, o 100 Modos perdido na “racha” da Vicky e a tentar perceber onde acaba a mesma!!!
A Misses Kat que nos vai castigando a todos com a ajuda de seu companheiro de “cordas”, MauFeitio, enquanto ferram os lábios de excitação!!!
Miss Lost.
Voltando ao prazer porque ainda o meu corpo lateja de tanto o sentir.
Mas não quero parar.
Não consigo, quero mais, quero sentir um só mais orgasmo nesta noite que ainda vai pequena.
E a dor, a dor de prazer que me possui.
E quero-me entregar ao teu corpo.
Sasseti.
Todo o meu corpo clama por ti, cada poro, cada nervo, cada centímetro de pele, é como que se cada pedaço de mim tivesse vida própria e com vontades urgentes.
Por vezes sinto-me usado pelo meu corpo e pelas suas vontades desmedidas de te ter.
São necessidades sem sentido, sem razão, impossíveis, mas que incendeiam este meu corpo à tua passagem.
Talvez não saibas, mas dou por mim a olhar-te, a imaginar-te despida para mim, com essa pele macia, de veludo, em chama, à espera do meu toque.
Por vezes, imagino a tua língua em mim, as nossas línguas a tocarem-se, os nossos corpos a consumirem-se em cadências animalescas.
Será que imaginas este tesão que sinto por ti, este mesmo que estou a sentir agora enquanto escrevo e que sinto a cada hora do meu dia, quando teimas em invadir-me o pensamento?
Será que sentes o mesmo?
Será que também tu me desejas?
Será que o teu corpo também treme á minha presença?
Sabes, há dias em que me imagino a devorar-te em cima da minha mesa, a degustar cada pedacinho de ti, a deleitar-me nesse teu rabo que me enlouquece, e quero imaginar que sim, que também tu desejas o mesmo, que também tu me desejas.
Mas será?
Bastardo.
E eu cheio de dores que desapareceram instantaneamente com toda esta visão, simplesmente fantástico!
Miss Lost.
Sou louca por ti …
Conheço cada canto do teu corpo tatuado por mim com a minha língua. Percorro o teu corpo e ficas louco, louco de prazer por mim e não paramos.
Tu gostas, adoras como a minha língua dança no teu corpo! Desejo-te, ela fala por mim! E continuas tu com a tua língua em mim… Oh! Conheces-me de cor sabes como me levar aos orgasmos… Contínuos…
Sasseti.
Deixo-me levar pela tua loucura. Pelo embalar calmo do teu corpo de deusa, sensual. Pela tua pele macia, perfumada como uma flor.
Pelos teus seios pequenos, com mamilos hirtos, eriçados, desejosos pelo toque dos meus lábios em chama.
Aprecio-te os movimentos. Empolgas-te. Lambes-me o rosto. Fustigas de mim os meus fantasmas, exorcizas-me a alma, enquanto que me abocanhas de uma vez, fazendo-me soltar um grito puro de prazer.
Sinto-me teu, deslizas a tua língua no meu membro, de boca cerrada, como numa valsa suave de Viena, onde me perco em passos descompassados.
Aprisionas-me na tua boca. Circulas os teus lábios em mim, empenhada, numa vontade infinita de me fazer jorrar como um rio bravo descontrolado.
Lola.
Chocada, deliciada com tanta luxuria e prazer que este condomínio emana…
A noite ainda é uma criança e muita coisa ainda vai rolar
Vizinho.
Nesta bela e deliciosa Tertúlia de autores e convidados valeu tudo. Desejos ardentes, vontades teimosas e persistentes, luxúria e muita fome… Felizmente a bebida acompanhou toda esta loucura, regando por completo as gargantas sedentas de corpos de puro e bruto sexo… E como diz a nossa Marie,

“As palavras tocam como línguas e nesta fantasia quase absurda em que o tão perto está longe demais, sobra o calor que nos arrefece…”

© 2017 #69letras

Sim, também choro. E então?

E com orgulho. Porque prezo e tenho medo. Algum problema em se sentir medo em perder algo que amamos?

Esse conceito de que um homem não chora é a maior parvoíce que já ouvi.

Todos nós tivemos passados complicados. Uns mais que os outros como é óbvio. E não diminuindo qualquer um deles, cada um de nós lidou com os mesmos à sua maneira. Com stress, com paciência, com raiva, com vontade de enfrentar o desafio, desistindo, procurando ajuda, partilhando a dor com alguém ou até mesmo a chorar para libertar aquela tensão tramada e pesada que habitava em nós.  Também admito que nem sempre aliviava. Por vezes ainda me afundava mais.

E então?

É um reflexo dos nossos sentimentos. Quando nos queimamos na mão tendemos a fugir com ela de imediato… Ora quando algo nos fere ou receamos muito algo tendemos a fechar-nos na nossa bolha e chorar. Seja sozinhos ou acompanhado.

Sim, já chorei. Inúmeras vezes, e chorarei as vezes que forem precisas se assim se proporcionar. Chorei baba e ranho com medo de a perder. Ao lado dela, na cama com ela. Acordava a meio da noite, depois de um pesadelo ou de um lindo sonho com ela, olhava para ela, a dormir que nem um anjo e tremi de medo. Medo de não poder ter tempo de partilhar algo com ela ou receio de a perder. Medo de um dia acordar com a cama vazia de lençóis gelados.

Chorava porque além de ser a pessoa que amava era uma amiga. Um porto seguro, a guerreira que me levanta sempre que me desequilibro, que puxa por mim quando me sinto encurralado, que me motiva a fazer o impossível. Juntos.

Sinto medo de perder isso e por isso as lágrimas caiem-me pelo rosto numa forma de expressão do quão a pessoa é importante para mim. Como já vi em algum lado, as pessoas choram não porque são fracas, mas porque foram fortes durante muito tempo. E neste caso não se pode aplicar a teoria do quem não deve não teme. As relações não devem ser despreocupadas. Façam-no saber. Preocupem-se. Se se sentirem tristes, chorem. Não tem mal nenhum. Garanto-vos que não vão receber nenhuma taça por isso.

© 100Modos 69 Letras® 20.04.2017

O tempo é relativo…

Dizem que o tempo é relativo…

A verdade é que quando estou contigo não existe controlo do tempo, esquecemos da sua existência e voa. Voa de forma imperceptível. Incalculável.

Podem passar-se horas e nem notamos.

E chega aquele momento em que tens que ir, e todo aquele tempo que passamos juntos parecem-me uns meros minutos. Pouco…

Preciso de ti mais um pouco. Tudo o que penso no momento é “Fica mais uns minutos, mais umas horas, dias, meses… Sempre…”

“Não vás…”

© 100Modos 69 Letras®

O poder do abraço

O quão poderoso é este acto. Impressionante.
Muitos desejam um beijo, outros palavras. Mas nada se compara a um abraço.

Aquele abraço.

Aquele abraço que nos alivia depois de um dia de caos, aquele abraço que retira toda a energia negativa que transmites, que suga a tua tristeza e devolve o conforto. Uma espécie de porto seguro, um abrigo. Por vezes esse gesto dura 5 segundos, até menos, mas sentimos como se fossem anos. É quase como se uma presa fosse domada. E depois há a entrega. Onde nos deixamos ir, cair, sentir, agradecer, aliviar. Mesmo estando “presos” aos braços não há melhor paz de espírito que um abraço.

Seja da amada, seja de um familiar, seja de um amigo…

O poder do abraço é infinito.

Às vezes só queria mesmo um abraço teu…

© 100 Modos #69Letras 2016