Lágrimas

Percorro o beco mal iluminado, fazendo me lembrar onde outrora fui feliz.
Onde a minha infância era inocente, sem preocupações.
Só ali fui feliz.
Mas os retornos a casa eram um castigo, a vida que me deram e levei, não foram das melhores.
Pais ausentes, educação de rua, dos vizinhos.
Aprendi cedo o que era suportar o mundo nos ombros.
Tornei-me uma pessoa amargurada, fria, sem amor.
Amor, o que era isso??
Senti na pele e no corpo, tudo o que sou hoje.
Tornei-me num muro inpenetrável, nada nem ninguem me poderia atingir.
Mas a vida traz-nos muitas surpresas, agradáveis ou com dissabores. Bem o sei…
A reviravolta que a vida me deu, não estava a preve-la. Alguém se colocou no meu caminho, fez-me sentir, fez o meu corpo e mente abalar.
Aos poucos, o muro que tinha construido, foi derrubado e preenchido com carinho, com amor. Sim soube o que era amar.
Ao fim de muitos anos, senti as lágrimas correrem pelo meu rosto.
Lágrimas negras de dor e felicidade.
Dum passado sofrido e dum presente radioso, que nunca pensei poder merece-lo.
©Lola 2017 #69Letras

Deixar uma resposta