Esfrangalhados

 

 

Onde ficam os sonhos dos que se protegem em caixotes e cobertores, delicadamente, em mau estado?

São os rostos, esfrangalhados, descobertos nos recantos desta cidade…

Onde fica a esperança desta gente em dias de tempestades, profundas?

Como será o gelo, que lhes queima a alma?

Como será sentir a falta daquele candeeiro, que transporta o aconchego de uma segurança?

São os carros que passam…

São as pessoas que os ignoram…

O simples olhar para eles reflete o outro lado da humanidade.

O lado da decadência escolhida ou imposta, tanto faz…

Assustador, para quem decide fechar os olhos e tentar não pensar…

©The Oyster 2017 #69Letras

Deixar uma resposta