Desculpa

Chego que nem um furacão, viro tudo de pernas pro ar .
Desculpa, se tirei o chão dos teus pés, abalei estruturas e revirei vidas.
Desculpa.
Não é de propósito, não fiz por querer.
Dizem- ” Depois da tempestade vem a bonança”.
As forças da natureza são assim, mas depois tudo é reconstruído.
Casas são levantadas, caminhos refeitos e o que se sofreu ficará na lembrança mas atenua com o passar do tempo.
E às vezes o mal que fez compensa, o que era frágil e instável dá lugar a coisas novas fortes e duradouras.
Peço desculpa por muita coisa mas não por te fazer renascer das cinzas.
Não peço desculpa por te fazer ver que em mim tens alicerces.
Se um dia estavas a suportar demasiado peso agora isso vai mudar.
Ficarás mais forte do que eras e se, por acaso, algum dia te vires a fraquejar, estarei aqui para aguentar, não por ti mas contigo.

°Wednesday°

Deixar uma resposta