Com a Lilith não se brinca

M18/Texto erótico

-Dona Lilith, importa-se de chegar ao meu escritório.

-Sim.

Após a nossa sessão de sexo no carro as coisas voltaram à normalidade. Quer dizer pelo menos para mim. Os olhares intensos e faltas de concentração do chefe são constantes mas não mexem comigo absolutamente. Nem mesmo um toque indiscreto nas minhas costas no elevador, cujo o qual ele percebeu de imediato pelo meu olhar frio de desaprovação que não tinha minha autorização para tal.

-Dona Lilith, terei de ir a Nova Iorque fechar o negócio mas daria-me imenso prazer se me acompanhasse.

-Se é prazer então não necessita da minha presença.

-Queer dizer… eu necessito da sua companhia por uma questão profissional… só isso!

-Caso assim seja, posso lhe organizar companhia profissional durante a sua estadia em Nova Iorque, senhor.

-Bolas Lilith eu quero a si! Aquela tarde não me sai da cabeça! Eu quero que você me fod@ daquela maneira outra vez, percebeu?

-Perfeitamente! Mas não é você que tem de querer!

E para que não haja mesmo dúvidas, encosto-me o suficiente para me roçar no seu corpo saudoso do meu chegando-me ao seu ouvido.

-Lá fora sou eu quem quer, pode e manda brincar.

Viro costas a um homem frustrado. Desiludido por não conseguir o que queria. Um sorriso escapa-se-me de satisfação perante seu azar. 

Ele volta de Nova Iorque derrotado pela ausência da sua deusa. Mas ele não sabe que o espero na escadaria de sua casa. Os vidros partidos espalhados pelos degraus denunciam a minha nada pacifica entrada.

-Lilith! Credo, o que se passou? Você entrou …mas como?

-Pouco barulho! Despe-te e vem ter comigo ao quarto!

Apressa-se a largar malas e despir-se para me seguir até ao quarto.

Páro de frente ao quarto e olho para ele com um ar severo.

-Perdão minha senhora!

Abre-me a porta de olhar cabisbaixo.

-Ninguém te mandou andar pois não? Rasteja até à cama e põe-te de joelhos.

-Nada me dá mais prazer do que obedecer-te a tudo mas seria possível um dia termos uma relação normal?

-Hummm, normal! Claro. Querido conta-me sobre a tua viagem enquanto chupas o meu dedo do pé e me massajas os pés!

Não consigo falar assim…

-Exato! Também não te quero ouvir. Só te quero fod3r. 

Com toda a dedicação massaja-me os pés enquanto alternadamente vai-me chupando os dedos grandes. Sinto-me relaxada e vou apreciando seu corpo nu que me adora.

-Pára e deita-te na cama de barriga para cima.

Acendo uma das velas e enquanto espero que se derreta um pouco vou-me despindo. Lentamente.

Reparo como ele não consegue disfarçar o estado de excitação. Deseja tanto me possuir como precisa de ar para respirar.

Subo para cima da cama e fico de pé à cabeceira com a cabeça dele entre os meus pés. Com o meu soutien prendo-lhe as mãos. Abro-me o suficiente para ele apreciar tanto o que deseja.

-Quero-te tanto! És linda!

-E tu falas demasiado para escravo! Quero-te calado nem que estejas para morrer!

Que nem um cachorrinho obedece. Vou-me tocando pois excita-me ver sua devoção. Subo para cima da sua barriga. Com a ponta dos dedos dos pés, vou brincando com o seu sexo. A dor do silêncio estampada no seu rosto formiga-me a tesão.

-Sobe com a língua  pelas minhas pernas acima.

Sento-me na sua cara para ele com a sua língua me lubrificar. Sabe-me tão bem. Ele sabe como lamber e chupar o sexo da sua deusa. Vou-me deliciando, gemendo entre o vai e vem do meu corpo de encontro à sua língua devota ao meu prazer.

Pego na vela de parafina, olho para ele enquanto me vou ajeitando em cima do seu sexo, e vou despejando lentamente num dos seus braços atados à cama.

Sinto seu corpo tremer facilitando a penetração. Seu sexo dentro de mim, seu olhar de dor e submissão às minhas vontades e toda eu à beira de um orgasmo que não vou conseguir aguentar por muito tempo.

Mantém-se calado, sofrendo em silêncio mas é pura satisfação que leio nos seus olhos.

Despejo um pouco mais de cera enquanto me afundo mais nele. Não aguento muito mais, sabe bem demais.

Apago a vela e cavalgo seu sexo com ganas de o partir ao meio.

Um orgasmo simultâneo gritado por ele e bem suado por mim. Descarga de adrenalina que se apodera dos nossos corpos fez-nos reféns numa ligação de tortura e prazer.

Cansada saio de cima dele. Dirijo-me à sua casa de banho para tomar um duche rápido.

Por momentos até me esqueço da vitima que deixei para trás amarrado à cama.

Já depois de vestida admiro sua lealdade. Permaneceu calado e ansioso pelas novas ordens minhas.

-Muito bem. Portas-te à altura. Por isso vou-te dar um mimo.

Seu olhar equipara-se ao de uma criança perante um brinquedo novo.

Inclino-me e dou-lhe um beijo enquanto o liberto do meu soutien que o prendia à cama.

Nosso beijo quase que ro4ava na paixão, não fosse eu trincar o seu lábio inferior.

Viro costas e saio. Sim, deixo um pouco de destruição atrás de mim mas sinto-me satisfeita… por agora.

©Lilith 69Letras  2017

 

 

 

 

 

 

Deixar uma resposta