Alegoria de um beijo

Primeiro o olhar de antecipação, o acelerar das pulsações,
o arrepio na espinha que ordenam ao corpo calafrios e pele de galinha,
o suave lubrificar dos lábios antevendo o desfecho.
Primeiro embate suave dos lábios entreabertos encaixando quase micro prega em micro prega,
a sublevação ao palato do doce e salgado, a combinação hormonal única que a cada um de nós pertence,
a aceitação do desafio, a respiração acelerada trazendo consigo a seca do campo de batalha,
a lubrificação agora é assistida, parte a parte, mais violenta, quase agressiva,
os dentes mantém o respeito e ao mesmo tempo elevam a excitação.
As fronteiras esbatem-se, ambas as línguas exploradoras descobrem novas sensações,
novos Prazeres, novos sabores, por milissegundos tudo eclode numa explosão sensorial única,
Ali, naquele pequeno ocaso temporal e somente durante o mesmo , percebes sem entender,
ou talvez entendas sem perceber, a magnificência da simplicidade de um beijo.
© Bastardo 2017 #69Letras

Deixar uma resposta