Sou a tua (In) Consciência

Sou a tua (In) Consciência
Sou a tua sede e a fonte onde te sacias,
Sou a tua fome e a tua fartura,
Sou a tua alma e a falta dela,
Sou o teu amor e o teu ódio,
Sou a tua Luxúria e Frigidez,
Sou o teu desejo e o repúdio,
Sou o teu prazer e o teu sofrimento,
Sou o teu mel e o teu vinagre,
sou tudo o que queres é não precisas,
Sou tudo o que precisas mas não queres,
Sou o teu equilíbrio e falta dele,
O teu sorriso resplandecente e o teu choro descontrolado,
Sou o teu saber e ignorância, a tua bondade e a tua maldade,
Sou o teu carinho e agrura, Sou o teu bem e o teu mal,
Sou a tua tempestade e bonança, agitação e calmaria,
Sou tudo o que lembras quando queres esquecer, e tudo o que esqueces quando devias lembrar,
De mim só tens verdade, porque em mim só tens um espelho,
às vezes limpo e pueril ou dependendo da distância com que me olhas
e a proximidade da tua respiração condensa a névoa que te tolda a realidade,
afinal é nas estrelas que se vislumbra a pureza da mente,
mas é aqui entre os comuns mortais que a consciência se torna pura,
ou não, o segredo, está no caminho…
© Bastardo 2017 #69Letras

Deixar uma resposta