Engasgo

.

 

As palavras prendem, elas teimam em sair.
Sufoco tudo o que quero, tento esquecer e deixar ir.
Conto os meus passos e revejo as minhas decisões.
Controlo-me, meço e peso todas as acções.
A minha garganta deu um nó, nunca disse o que devia dizer.
Vivo com este engasgo de quem não quer perder.
Com receio de falar decidi calar-me então.
Não me permito sequer pensar, e se a resposta for não?!
Ando para a frente e para trás, calculo cada pensamento.
Fecha a boca sua burra e esconde esse teu lamento.
Aiiiiiiiiiiii que inferno, que mal fiz eu?!
Para estar sempre assim,quero-te longe mas ao mesmo tempo quero-te perto de mim.
Fico em brasa quando penso que tenho de te partilhar.
Tu és meu e só meu, que raivaaaaaaaaa só de imaginar.
Esse teu corpo foi-me dado, para eu usar e abusar.
A tua alma já era minha mesmo antes disto começar, vou ficar neste impasse até quando me decidir.
Se avanço ou recuo, ou se finalmente me deixo ir.

°Wednesday°

Deixar uma resposta