Devaneios de um trolha

Não sou de uma geração antiga e nem de uma moderna, estarei a meio tempo numa mistura de dois mundos, nasci depois do 25 de Abril, não assisti à repressão, nem passei fome, aprendi valores que me guiaram até hoje, sou igualmente igual a mim mesmo, no que respeita às mulheres por vezes solto o trolha que existe em mim, mesmo sabendo que o trolha pode ser detido por assédio sexual, mas muito honestamente, dizer a uma mulher que não sabemos que as flores também andam, será assim tão rude e feio?

É um pouco como entrar no ginásio e ver algumas mulheres a galar e a babar pelos quadris trabalhados do homem que está de auscultadores nos ouvidos ouvindo a sua musica, desligado do mundo e ter um grupo de mulheres numa passadeira a correr com a velocidade no mínimo, não será isso também assédio sexual, afinal elas olham com olhos de lobo mau e babam-se….

Se um estranho te oferecer uma flor, bom, se for dia da mulher, ela aceita e agradece, se for dia da mãe, mesmo que não seja mãe, aceita e agradece, mas fora destes dias, um homem oferecer uma flor a uma mulher porque a acha bonita é meio caminho andado para levar um estaladão e porque não, uma queixa por assédio, a menos, se for um homem em calções, com os quadris definidos numa perfeição que fará qualquer mulher babar, e aí ela aceitará a flor, agora se for um gajo como eu, careca, gordo e feio, quase tipo porco, feio e mau, levo queixa na policia por assedio sexual, mas afinal, o que raio é assédio sexual?

Para mim assédio sexual é quando convido alguém para ter sexo, dizer a uma mulher que é filha de um piloto de aviões porque ela é um avião, é um elogio, agora se eu dissesse a ela que adorava fazer avionetas com ela, isso já entraria no campo sexual….

Existe segundo alguns excessos de liberdades, os jovens hoje em dia postam-se nas redes sociais, uns armados até aos dentes, outros espancam por gozo, e porque os seus vídeos vão ser vistos por milhares de pessoas e vão ser os maiores das ruas deles. A minha educação não me permitiu ser o maior da minha rua, nem o queria ser.

Acho estranho num país onde a liberdade é excessiva segundo uns, e existe pouca liberdade segundo outros, se roubem milhões e se assobie para o lado, isto faz-me lembrar uma noticia que saiu há meses num jornal, de um homem que roubou um pão e um pacote de leite e foi apanhado a tentar sair do supermercado com o material furtado, foi solicitada a presença da Policia de Segurança Publica ao dito estabelecimento para deter o meliante, e a moral da historia, foi que o meliante, desempregado, sem subsidio roubou para alimentar uma filha, e roubou um pacote de leite e um pão, que o agente de autoridade se ofereceu para pagar do seu próprio bolso, e não foi apresentada queixa contra o meliante, bem como o mesmo passou a ser ajudado por centro comunitário de onde o agente em causa faz parte.

Penso agora, nos tempos de Salazar, se seria assim mesmo, não existiam telemóveis, alguns teriam televisões, haveriam rádios, e hoje temos o tempo que vivemos, um casal tem um ou dois filhos, mas no tempo dos nossos avós, menos de meia dúzia não era família, hoje somos diferentes, somos mais ocupados, temos menos tempo, existem telemóveis que apesar de existirem, as pessoas esquecem-se de os usar, mesmo quando de manhã se esquecem de dizer a palavra mágica ao amor delas, e basta escrever uma mensagem, ou mesmo mandar uma mensagem para o correio de voz algo tão simples, como amo-te….

Há trinta anos atrás, dizer amo-te por carta, demorava uma ou duas semanas….

Devemos reflectir sobre o tempo em vivemos, sobre as facilidades com que vivemos e com as complicações em que nos metemos….

Algo para se pensar….

 

NMauFeitio 69Letras® 27.02.2017

Deixar uma resposta