Voyeur

Poderia ser propositado, ou até esquecimento, mas o casal vizinho deixava sempre a persiana aberta, o quarto à média luz o suficiente para os ver todas as noites amarem-se.
Para mim era uma tortura e ao mesmo tempo inveja de não poder estar ou no lugar dela ou no meio deles.
A forma como ele a toca, e o corpo dela mesmo à distância vibra, como se ele estivesse a tirar notas musicais duma viola.
Os lábios deles em sintonia a percorrerem cada centímetro dos seus corpos.
Imaginava os gemidos dela, o toque de língua que ele fazia nos seus mamilos, no seu baixo ventre.
Que loucura de visão. 
A melodia deles fazia o meu corpo estremecer, sentia como se as mãos deles estivessem a percorrer o meu.
Todas as noites tinham algo diferente, cada noite que os via, era como se fosse a primeira vez.
Inconscientemente as minhas mãos começaram a deslizar, ficaram em sintonia com os movimentos deles.
Entramos os três em êxtase.
Não posso continuar a ser voyeur, vou enlouquecer..
Quando voltei a olhar para a janela, o meu coração sobressaltou, eles estavam a olhar em direcção à minha janela e a sorrir.
Como era possível? Estava às escuras no meu quarto.
Encolhi-me toda, nem me mexi ate eles irem tomar banho. Tomei um duche rápido e enfiei-me na cama.
De manhã acordei com o toque da campainha, meio ensonada. Vesti o robe e fui abrir a porta.
Congelei, parei de respirar. Eles estavam à minha porta.
           – Hoje apeteceu-nos vir-te fazer companhia. Já que todas as noites fazes a nós. Podemos? – Disse ela com um sorriso e um beijo na boca suave.
Ele fez o mesmo. Entraram e fiquei estática.
– Então não vens?- Disse ele.
Veio me buscar a porta e levou me para junto deles.
Só podia estar a sonhar. Acorda Lola!!
Mas não estava…..Era bem real.
©Lola 2017 #69Letras

Deixar uma resposta