Súplica

Vem… beija-me…
lambe estas lágrimas que me escorrem pelo rosto e sacia a minha vontade de um abraço sentido.
Demora-te, …
por favor, não tenhas pressa, permanece quieta em mim,
deixa-te ficar em silêncio no meu peito e sente o bater descompassado deste coração moribundo.
Vem, …
cuida das minhas feridas, abre-me o peito em chama e areja os meus pensamentos,
Endireita as minhas ilusões desmedidas com simples afago no cabelo, com ternura.
Vem por favor, …
… Que hoje não sejas crua, 
Que hoje não sejas desse material inerte e granitoso de que te revestes, não hoje,
Demonstra-me algum sentimento, por favor,
Mostra-me de que cor é o sangue que te corre nas veias, mostra-me que ainda ferve,
Mostra-me essa pele eriçada, como um campo de feno macio num final de tarde na primavera.
Abre para mim esse coração enclausurado, liberta-te das amarras que te consomem e te corroem 
Navega em mim, sem rumo, ….
dá-me um rumo, ….
Vem, …
beija-me, …
Faz-me sentir que ainda existo….
©PSassetti #69Letras 22.03.2017

Deixar uma resposta