Na penumbra…

 

De que vale deixar o meu sol brilhar
Se não sou apreciada por isso.
De que vale deixar os meus raios tocarem
Em quem eu acho que merece
Para ser tapada por uma névoa negra, que teme o meu brilho e tenta sobrepor se.
De que vale tentar de novo, se o mesmo
Obstaculo mantem-se à frente, impede-me
Que volte a brilhar, que volte a dar alegria.
Deixo-me ficar na penumbra,
no limite do horizonte,
No meu canto, diminuo o meu brilho
Ou até mesmo deixá-lo extinguir.
Observo, a escuridão destruir o que dantes
Era belo,
O poder que ela exerce, brilha mais que os raios solares,
Ultrapassa tudo e todos.
Glorifica-se por atingir o que um mero brilho
Não consegue.
Despreza o brilho afirmando que é um grão insignificante, que é algo que esquecem
Mas ela escuridão é majestosa, respeitada.
©Lola 2017 #69Letras

Deixar uma resposta