Miúda no controle

Conto Erótico | M18

Não era o nosso primeiro encontro furtivo e da primeira vez eu deixei-te soltar o animal que tens dentro de ti e submeti o meu corpo ao teu prazer, à tua luxúria, ao teu controlo… mas desta vez íamos mais longe… “Venho já, querida, não fujas!” disseste com o teu ar pseudo autoritário, e quando regressaste estava eu, a lingerie preta rendada, os saltos altos que me alongavam as pernas cuja pele brilhava aquela média luz e copo do belo vinho que escolheste para nós na mão… sentada no tapete fofo que me acariciava o rabo e costas encostadas no sofá, esperava-te sob um olhar confiante e bem diferente do que te mostrei antes…

Senti a aprovação e a curiosidade no olhar que me devolveste quando te juntaste a mim no chão, envolvendo o meu rosto com mãos suaves e carícias ternas que pareciam adivinhar o que te esperava. “Deita-te, vou beber de ti!”

Nah,não meu querido… Hoje não és tu quem dita as regras… O choque tomou conta da tua cara enquanto uma gota de vinho caía indisciplinada pelo canto da tua boca… Prontamente passei com a língua e saboreei o vinho juntamente com o sabor adocicado da tua pele maravilhosamente suave e impecavelmente barbeada… “Ah, hoje é a menina a controlar?!” Não… Não tenho jeito para a Rainha manda… Calma… Relaxa…

A tua personalidade dominadora estava bastante confusa com a minha abordagem gentilmente dominadora, mas eu continuei… Deixei que te despisses e pedi-te que te deitasses no chão agora aquecido pelo calor que os nossos corpos iam emanando… Sem me colocar por cima de ti, comecei por te beijar a boca, que correspondeste com um beijo possessivo, dos teus, que me seguram pela nuca e que rapidamente travei, segurando as tuas mãos e colocando-as ao longo do teu corpo que já arfava de antecipação… Avancei, pelo pescoço, distribuindo calor e pequenas dentadas nas zonas mais apetecíveis e quando pensaste que te ia brindar com um br*che, parei e pedi que te virasses… Mais uma vez o olhar incrédulo manifestou-se em todo o teu rosto e assentiste… “Lindo menino” disse assumindo a liderança… Agora sim, coloco-me em cima de ti e aperto as tuas ancas nas minhas pernas enquanto roço a renda no teu rabo… Começo por usar as unhas… Ao de leve… Gata a fazer ron rons… Sigo massajando as tuas costas com o meu corpo e sinto a tua pele roçando nos meus lábios húmidos…

Centro as atenções no teu rabo e faço-te ficar de quatro para mim, qual feiticeira… Primeiro abro-te as pernas e com toques doces e ligeiros obrigo o teu traseiro a empinar-se para mim entre arrepios e gemidos de prazer…

Deixo-te sofrer um pouco naquela posição que me enche de prazer e que secretamente te excita enquanto me desfaço do pouco que cobre a minha pele… Vou precisar de liberdade para os próximos movimentos…

Acaricio-te o sexo já duro e pulsante, os seus dois companheiros que notoriamente naquela posição merecem atenção… ataco-te com uma boca e língua vorazes e arranco-te gemidos surpreendidos e carregados de “quero mais, dá-me mais, f@de-me por favor”… Sinto-te à beira do abismo mas impeço-te de dares o passo em frente quando paro tudo e te acerto uma palmada seca e dura na nádega direita… “Shhhhhh…Não reclama senão fica pior…”

Como te portas bem, alterno a palmada com caricias e quando te sinto a relaxar… Mais uma! Com a mesma força e que te apanha de novo de surpresa e que se repercute no teu falo já no limiar da tesão… Prolongo esta pequena maldade por mais alguns momentos, mas quando te sinto a entrar no transe, desço o teu rabo do pedestal que as tuas pernas montaram para mim e viro-te expondo a gloriosa erecção que a brincadeira te causou…

Não resisto a contemplar o teu corpo e a tua cara despida de qualquer mascara, qualquer autoridade…inundada de luxuria pura e suplicando que acabe com o teu sofrimento…

Assim o faço…trepo para cima de ti, oferecendo-te primeiro os seios para chupares, depois o sexo para provares, mas só o suficiente para lubrificar-me au point…

E também eu já desejosa empurro-te para dentro de mim, em estocadas violentas, compassadas e profundas…o ritmo não diminui e rapidamente atinjo o orgasmo atirando-me para trás e sentindo o teu que me inunda de uma sensação quente e aparentemente inesgotável…

Breves momentos de silêncio a apreciar o êxtase que nos consome e só voltei a ouvir de ti as doces palavras de um dominador rendido… “Tão bom, a miúda no controlo…”

© Vicky M 2016 #69Letras

Deixar uma resposta