Intimidade e Swing

Já alguma vez se perguntaram o que é a intimidade?
Como é que a intimidade afecta a nossa vida afectiva?
Na nossa opinião a intimidade entre casal tem a ver com a forma com que fomos criados, não só moralmente mas também com o ambiente (casa) e a privacidade que nos foi dada.
Há quem diga que a mulher tem dificuldade em ter uma relação íntima, pois discordamos.
O homem tem mais dificuldade em gerir uma vida afectiva com intimidade do que a mulher, pois esta é mais emotiva e necessita de afectividade, algo que alguns homens temem.
Porque eles fogem à intimidade?
Porque foram criados numa sociedade em que o homem teria de demonstrar a sua virilidade negando as suas necessidades afectivas e emotivas, para ele só existia dois tipos de intimidade:
       – as aventuras eróticas, não tendo relação intima posteriormente ou,
        – Encontrar uma mulher que fosse educada, bonita, não demasiado activa e de poucas palavras e que aceitasse a sua ejaculação precoce.
Com o evoluir dos séculos o homem foi aprendendo a mostrar mais o seu lado afectivo, e as diferenças sexuais foram diminuído.
A mulher por sua vez, quando está disposta a partilhar a sua intimidade de coração, sentimentos, corpo e sexo, alguns factos externos entrepõem-se para impedir essa privacidade.
Esses factores externos têm a ver com o espaço que tiveram desde a infância até à adolescência, em que tiveram de partilhar o quarto com os pais, um quarto de banho público, ou até mesmo para fugir à rotina matrimonial e fazerem amor no carro com as janelas tapadas com jornais.
As relações íntimas entre os casais têm vindo gradualmente a ter alterações positivas, nalguns casos, pois ainda existem diferentes ideias de normalidade sexual.
O que para alguns, a normalidade sexual é entre quatro paredes e só o casal, para outros é ter fantasias e poder ou não realizá-las. As fantasias para poderem ser realizáveis têm de haver comunicação, confiança entre o casal e estarem de acordo.
Se não houver cumplicidade, se for só um a querer realizar essa fantasia, não estando o outro de acordo ou arrastado à “força” para a sua concretização, a intimidade do casal vai-se deteriorando até ao ponto de separação ou aversão do companheiro(a).
O que tem de comum com o Swing?
O Swing tem a ver com a intimidade sexual do casal, o consentimento mútuo, o respeito e confiança, a partilha de fantasias entre ambos. Podermos concretizar experiências a três a quatro, em grupos, realizar as fantasias “proibidas” pela sociedade, mas que para nós nos traz tanto erotismo, excitação que nos leva à loucura, desfrutarmos ao máximo e podermos reviver todas as experiências com o nosso companheiro(a).
Isto sim, é Swing. Não é como a teoria e pratica de alguns casais, que só ficam a ver e ele dá uns amassos à companheira dos outros, mas na dele ninguém pode tocar ou, então eles querem fazer troca mas ela sente-se incomodada por ser tocada por outro homem e/ou mulher sem ser com quem partilha a intimidade.
Se julgam que isto é Swing, então podemos dizer que não têm a mínima noção do que estão a fazer, são casais que têm um intimidade negada e forçada e arranjaram um subterfúgio para manterem o casamento.
Serão bem vindos todos os comentários, sejam a favor ou não.
Um Bem haja para todos.
© Molhadinha 2017 #69Letras

Deixar uma resposta