Guerra dos sentidos

Quente e húmida!

Assim se apresenta ela ao mundo. Dona de si, dona das suas vontades e caprichos! 

Ela sabe o que quer e quer precisamente agora. Sem demoras ou desculpas. 

Sexo para ela, é um prato que se serve frio. Polvilhado a ousadia a ferver na pele. Satisfação pessoal. Sem culpas ou tabus! 

Suas ancas nas mãos dele, bailando sem pudor. Brinca com o seu cheiro… Atiça com gemidos de prazer seus ouvidos. 

Ele deseja-a ! Ele desespera! Ele cai no abismo da sua malícia, gritando de pulmões abertos seu prazer. 

E eis que finalmente ela autoriza-o a entrar no seu domínio. 

Grato num momento, escravizado logo no momento a seguir. 

A tesão queima-lhe o corpo.  Ele implora por misericórdia de sua dona. Anseia tanto pela penetração que se esquece da dor dos rasgos nas costas, marcas das unhas da sua predadora. 

Ela agressivamente o possui! Apodera-se do corpo rendido à sua loucura! Investidas animalescas dominam o ar denso. 

Ambos fecham os olhos. Entregam-se ao ruído dos corpos, o sabor salgado do suor, as mãos vivas com garras fincadas na carne. 

Gritos mudos de clímax.

Ela afasta-se, ele adormece no abandono. Ele venera-a, ela comanda. 

©Miss Steel 69letras 2017 

Deixar uma resposta