Dona do meu mundo

Crescer não foi o que imaginei. 

O meu caminho não era repleto de pétalas de rosa, nem a minha casa cheirava a tarte quente de maçã acabada de fazer. 

O mundo revelava-se cada vez mais negro e sufocante. Demasiado barulhento e desagradável para uma menina. 

Mas, e é esta a minha mensagem para todos, há esperança até nos sítios mais negros. 

Aprendi a ler. E o meu mundo fundiu-se em fantasia coberta de esperança. 

Aprendi a escrever.

Meus pés de menina ganharam asas. 

Um novo mundo se reergueu perante meus olhos inundados de entusiasmo!

A  vida passou a ter significado pelo qual valia lutar. Era eu quem escolhia o que queria ser. Umas vezes médica para curar os doentes todos do mundo, outras vezes presidenta da República para mudar de vez o rumo da humanidade! 

Na ponta do meu lápis tinha o MEU mundo aos meus pés! À minha volta os gritos eram abafados pelas minhas gargalhadas, a realidade continuou a marcar-me o rosto mas eu imaginava que era blush. 

A insanidade mental dos adultos só fortalecia os alicerces da minha indiferença.  Quanto mais insistiam em destruir a minha inocência, mais alto me erguia no meu mundo de fantasia. 

Assim cresci. Muitas vezes caí. Mas levantei-me sempre de seguida com os lápis como muletas. 

Ainda hoje sinto que sou dona do mundo de cada vez que me entrego à escrita. Mas troquei o lápis e o papel pelo computador. Da minha janela agora alcanço muito mais. 

Pelas 69letras, alcanço-vos, espero mesmo tocar nos vossos corações. 

Se conseguir que por momentos apenas que sejam, que vejam o mundo pelos meus olhos, pela janela do meu mundo ideal, já fico feliz… 

©Miss Steel 69letras 2017 

Deixar uma resposta