Conversas com o meu Eu – O tempo. A ampulheta

 
Não podes continuar a permitir que os medos te tranquem e te vedam o acesso à vida.
Não sei como, mas tu certamente irás descobrir, como abrir a porta destrancando sentimentos que te derrubam e enfraquecem de tal maneira que te absorvem impedindo-te de descansar e ter uma qualidade de vida melhor.
Tens de deixar de viver com medo da contagem da ampulheta.
O tempo passa e isso é empírico. Precisas de aprender a deixar que ele flua sem quereres correr à frente dele, porque nunca conseguirás, só te irás cansar pois cada grão que cai está um passo à tua frente.
Aceita o decorrer dos dias e aprende a caminhar devagar sem pensares em tudo o que falta fazer.
Se és das pessoas que faz, então acredita que tens tempo,
Só aqueles que nada fazem e ficam a pairar enquanto assistem à vida deles e a dos outros, passar é que desperdiçam o tempo.
Não te amedrontes e acredita que consegues! 
Não saltes, caminha devagar. O desgaste será menor e esse peso pesado que carregas nos ombros, verás que irá suavizar.
Eu sei que te preocupas, o que é bom, mas não deixes que algo como a tua incrível força de vontade se transforme num fardo.
A mim,
vai devagar
e ouve-te respirar
© Cátia Teixeira, A Vizinha 2017

Deixar uma resposta