Amar, não chegou.

Nem sempre amar é suficiente…

Atravessaram a ponte das desilusões, cada um para o seu lado.

Não houve um adeus, um até breve, apenas o silêncio de quem muito tinha para dizer e resolveu nada dizer.

A tristeza da voz, seria insuportável de aguentar.

A dor afiada das palavras seria mágoa eterna, naquelas almas carentes, desiludidas com a própria confusão…

Não, que não se amassem.

Não , que não se desejassem.

O carinho entre eles era soberbo, de uma beleza, de uma cumplicidade sublime.

Só não era o tempo certo para estarem juntos, para construírem o mesmo caminho.

As lágrimas , não pronunciadas, escorreram pelos seus rostos a cada passo dado.

Para eles a esperança desapareceu naquela tarde fria de outono, quase inverno, em que saiu do cais, foi directa ao mar alto sem olhar para trás e, caminhou sozinha por entre as marés mergulhando nas profundezas do oceano.

©The Oyster 2017 #69Letras

Deixar uma resposta