A minha vontade ao teu desejo pertence.

TEXTO ERÓTICO [ M 18 ]

Há sempre um dia, uma noite em que nos deixamos levar, por algo diferente…

 

Deitas-te…

Curiosa no sentir…

A curiosidade e a expectativa são um bom afrodisíaco.

Excita-me a forma como te agrada obedecer…

O prazer com que aceitas submeter-te é excitante para ti.

“-Vira-te de costas! “

Tão nua , como desejosa… O teu belo rabo vira, ao som das minhas palavras.

Deixando as belas nádegas e aquele espaço entre as coxas à minha disposição…

Escolhi um óleo com cheiro a tangerina. Nada exótico. Comestível…

Retiro a minha roupa.

Sentado na cama, do lado onde não me vês. Observo-te.

Começo a espalhá-lo, lentamente, pelo teu corpo.

O som de desagrado ao sentires o frio do óleo na pele, junto com o arrepiar da mesma…

“Era assim que eu queria..”. Para que sentisses o calor das minhas mãos…

As tuas nádegas, entre outras ideias que me dão , fazem um belo banco.

Massajo as tuas costas para descontraíres…

Tendo o cuidado de deixar o meu membro massajar o fundo das tuas costas ao me movimentar…

O tesão que à ponta ao passar no teu rego me faz… Controlo as vontades…

Hoje é noite de satisfazer as tuas…

Sinto-me no covil do Lobo….

Um Lobo que desejo…

Um predador em forma de homem, que me faz querer estar aqui,

entregar-me… submeter-me… deixar-me conduzir…

Olha-me, com aquele olhar duro e quente, não precisa de falar.

Um só gesto e faço o meu vestido cair no chão. Ele não desvia o olhar…

Sim, percebo que me quer nua, sem ter de me tocar… Um arrepio percorre-me…

Será que vai reparar em como estou molhada?

Desaperto o soutien… Os meus seios soltos, os mamilos a ficarem erectos, ansiosos pelo toque dele, mas continua impávido e sereno…

Passo as mãos nas ancas e deslizo a tanga de renda negra, o último pedaço de tecido no meu corpo e, ela escorrega pelas minhas pernas…

Olho-o… Inconscientemente entreabro os lábios e coloco os braços ao meu redor, num acto de protecção primária…

Ele sabe…

Sabe que me submeterei a ele sem questionar.

Sabe que obedecerei à sua voz, ao toque do seu corpo…

Ordena que me deite. Observa-me.

“Vira-te de costas!”.

Tremo quando um óleo gelado me invade a pele, mas depois vem o calor das suas mãos, o toque subtil do seu membro, de cada vez que se prolonga mais nas minhas costas e, deixo-me ir…

©Read Mymind 2017 #69Letras

©The Oyster 2017 #69Letras

Deixar uma resposta