A falta de nexo que me fazes sentir

Gostaria de te deixar mais confortável mas é no desconforto que eu durmo melhor… Tenta entender. Não é de insónias que eu sofro, é de solidões. E por mais que eu queira deixar-te livre no teu espaço, é confinada aos teus abraços que saboreio liberdade. Não quero que me dês nada, antes prefiro dar-te o meu tudo – o que no fundo é o mesmo que te pedir algo… É egoísmo da tua parte não me amares. Tão egoísta quanto eu em te querer. Porque tu gostas de mim, mas não chega. Porque eu gosto de ti, e é demais. E eu sei que nada disto faz sentido e foi por isso que quis escrever a falta de nexo que me fazes sentir. Quis poder ler a minha loucura em preto e branco, esquematizar um pouco esta íris de emoções abstractas. Equacionar o ridículo que é gostar de abraçar rosas e fazer das feridas, bouquets… Arriscando tudo sem arriscar em nada, como aliás, sempre fiz. Agindo como se aceitasse tudo aquilo que o meu coração grita por mudar. Divagando com as palavras no papel incessantemente, sem querer ser compreendida, sem rimar, sem obedecer a qualquer regra literária. Vomito sentimentos e eles ganham forma. Olho para ti e é o oceano inteiro que me devolve o o olhar.

 © ~Só 2017 #69letras

Deixar uma resposta