Odeio-te de paixão. Sim, disse bem – odeio-te, apaixonadamente.

E não porque me tenhas feito amar-te, mas porque não queres que te ame mais. E como estou apaixonada, e não posso mais amar-te, odeio-te. De paixão! E ando de passo leve e de sorriso no rosto porque estou apaixonada por este ódio que me pediste, que me faz ser mais Mulher e menos ser humano. Que me faz ser menos pessoa e mais bicho!

E eu gosto disso. Hmm.. Como eu gosto disso! E tu finges que também gostas, que estás apaixonado por uma vida que fazes de conta ter. Mas tu… és teatro. És drama que engana e apaixona e, agora que me recordo disso, sempre foste a rainha de Copacabana. E sempre me levaste a acreditar que a actriz principal desse circo era eu mas o meu pecado foi espreitar por trás da tua cortina e destemida, amar-te por obstinação. E tu amaste e temeste isso, mas temeste mais e mudaste o cenário da tua vida mas o meu palco é paixão!

É amor e é fogo… É emoção!

E por isso, recuso-me a não estar apaixonada e apaixonadamente, odeio-te enquanto obstinada…

Te amo. De paixão.

~Trollishka

#69letras

Deixar uma resposta