Viagens de prazer

Texto erótico | M18

São vinte e duas e cinquenta e seis. Temos ainda muitos km pela frente, mas vamos em silêncio. Ok, eu confesso que vou calada para reprimir tudo o que estou a sentir.
Tivemos uma discussão enorme antes de sair e eu estou amuada. Tenho esse direito! Mas o meu corpo não está e continua a desejar o homem que vai sentado ao meu lado a conduzir, como se o mundo fosse acabar amanha.
Quero-o tanto que às vezes nem consigo pensar direito!
Quero-o tanto que às vezes atiro as nossas chatices para trás das costas, só para o ter dentro de mim.
E esse desejo estava a pairar sobre mim. Vê-lo tão concentrado, com aqueles braços musculados a segurar firmemente o volante… Ah, já o imagino a agarrar-me assim. Já me sinto molhada! Merda!
Para de pensar! Para de pensar! Para de pensar!
Quem me dera conseguir… Olho-o pelo canto do olho, mordendo o lábio inferior. A vontade de lhe saltar para cima, já é maior do que a mágoa que eu sentia quando iniciámos a viagem.
– Quando puderes encosta. Estou um pouco mal disposta e preciso apanhar ar. – Pedi-lhe, olhando para as árvores que passavam diante dos meus olhos a alta velocidade. Não podia olhar para ele. Ele conhece bem o meu olhar sedento de sexo.
Parámos a poucos metros. Nada me disse. Saí do carro e fui, de facto, apanhar ar. Estava frio e era mesmo o que estava a precisar para arrefecer o meu interior. Encostei-me à traseira do carro e ali fiquei por uns bons pares de minutos.
Assim que achei que já estava fria o suficiente para terminar a viagem, decidi voltar.
– Está tudo bem? – Perguntou ele tentando não demonstrar qualquer sentimento.
– Sim. Podemos continuar.
E continuamos. E o meu desejo também continuou. Raios! Desisti de lutar contra ele, quando me cheguei para a ponta do banco e sem dizer qualquer palavra, lhe desapertei o botão das calças. Depois abri o fecho. Depois puxei os boxers para baixo e… Vi-o engolir em seco! Hum… Posso avançar!
Sem dizermos nada, arranjei forma de me baixar e de me dedicar àquele pedacinho dele que me leva à loucura tantas vezes. Quanto mais o ouvia praguejar e gemer mais vontade me dava de lhe roubar um orgasmo assim mesmo. E consegui, mas só depois de ele parar o carro.
Missão cumprida. Ajeitei o cabelo, limpei os lábios com as costas da mão e estava pronta para seguir viagem.
Ok, não não estava! Estava pronta era para  mais acção. E ele sabia disso… Mal consegui usufruir do meu triunfo alcançado minutos antes e já ele me estava a puxar para sair do carro e me sentar no banco de trás.
Ah, finalmente! Numa fracção de segundos, já havia roupa espalhada, palavras quentes trocadas, a boca dele nos meus seios, a mão dele a brincar com o meu clitóris, e eu a gemer. A implorar para ele me foder, sem dó nem piedade.
Só ele sabe como eu gosto de sexo sem romantismos à mistura. E o meu desejo era tão grande que em minutos, presa naqueles braços musculados, fui invadida pelo prazer no seu estado puro.
Uma e outra e outra vez….

#RaiodeSol 69Letras® 26.02.2017

Deixar uma resposta