A minha secretária

Texto Erótico|M18

Nesta solidão de Inverno safo-me com o bom tinto e a lareira como companhias imprescindíveis, mas nem sempre é suficiente. A vontade de partilhar uma garrafa de Quinta de Cabriz, Reserva 2011 e umas boas horas de conversa é mais forte. Aproveito estes dias de chuva para colocar a escrita em dia mas hoje não me sinto inspirado.
– Plim! – Uma notificação de mensagem…
“- Olá V! Que fazes?”
Pergunta pertinente neste dia de vontades preguiçosas.
“- Boa tarde MJ. Estou a colocar as minhas escritas em dia mas não está fácil. Falta-me inspiração.
– Alguma coisa que posso fazer por ti?
– Estás tão longe…
– Alguma vez isso foi impedimento para nós?
– MJ, não me ponhas com ideias…
– Oh… Ele vai-se cortar… És mesmo tu quem está aí desse lado?
– Apenas não me sinto virado para esses lados…
– V, estás no teu escritório? Na tua bela secretária sempre arrumadinha e pronta a receber-me?
– MJ, nunca mais esta secretária foi a mesma após aquela reunião…”

Ela sabe bem como me provocar. Bastou umas horas para ficar a saber um pouco de mim, de e até onde pode ir comigo, como e quando o fazer.
Neste momento imagino-a sentada à minha frente em cima da secretária enquanto eu fico sentado na cadeira. A imaginação flui, a excitação aumenta.
Fico a pensar “De que cor será a lingerie? Será rendada? Ou não usará? ”
Iimagino na minha forma muito veloz de pensamento que nem eu próprio me acompanho. Acabei de ficar segundos a imaginar a suas pernas abertas, de saia, lingerie preta rendada, com cinta e meias pretas. Um belo manjar de deuses. Com os joelhos prostrados nos meus ombros vou tirando os seus sapatos, deliciando me com os seus pés, lentamente retiro as meias…
Exalo o odor vaginal das suas cuecas permitindo que o meu inchaço me obrigue a libertá-lo. Sem pudores massajas o meu caralho com o pé direito, enquanto o outro se afasta ainda mais de si permitindo uma abertura de pernas que aguardam impacientemente pela minha língua. Desculpem mas não perdoo as cuecas. Terei que as rasgar.
Que bela e deliciosa visão.
Minha língua fica trémula e impaciente, minha boca seca e meus olhos brilhantes…
Será desejo ou sede?
Acho que é mesmo sede de desejo.
O seu olhar pede-me para não parar e como bom menino que sou assim o faço.
Beijando o interior das suas coxas chego a si, ao seu ninho de prazer. O cheiro inebria-me o discernimento, obrigando a ficar de língua de fora.
Com a ponta toco suavemente no grande lábio esquerdo e ele treme, largando um breve gemido…
Delicio-me com a sua cona lambendo, sugando e chupando. Minhas mãos ficam irrequietas e meus dedos prontos…
Um, dois… Meus dedos a penetram e sentem a sua macia e quente vontade de ser fodida..
Por detrás do clitóris sinto a sua rugosidade, Teu ponto G? Vamos já descobrir…
Enquanto a minha boca se ocupa do teu clitóris meus dedos entram, massagem e circundam, voltando a sair consecutivamente, libertando em ti um orgasmo belo e intenso, fazendo tremer a tuas pernas e endurecendo o meu caralho.
Está pronta para ser fodida!
Levanto me e apontando me para dentro de si, com a mão ajeita e permite que entre em si… Olha-me nos olhos, deseja que lhe enterre até ao fundo, e eu acedo pois também o desejo…
Com movimentos certeiros e fortes permitimos que o nosso desejo termine num belo e ruidoso orgasmo.
Acordo deste sonho de imaginação fértil e cruel ao mesmo tempo, sentindo um enorme inchaço entre pernas… No ecrã do computador as seguintes palavras:
“- Já vi que estás ocupado. Deixo-te com um belo e prazeroso beijo… Até amanhã V…”
Porra! Logo agora que tínhamos assuntos a debater…

O Vizinho #69letras® 28-02-2017

Deixar uma resposta