Sensorial…

Leio-te… As tuas letras são música numa pauta de maestro onde apenas quem sente a tua melodia saberá o que significam… Vejo-te… És uma bela e hipnotizante pintura, de pinceladas e contornos magníficos onde apenas quem tu permites ver conseguirá decifrar esse teu olhar e brilho… Ouço-te… A tua voz é um deleite para meus…

Não tinhas o direito! Não podias…

  Porque é que o fizeste? Fotografia: Via Tumblr Estavas a tentar provar que afinal não sou feita de gelo? E agora que já sabes que por baixo desta capa ainda existe a mulher que um dia tocaste, o que é que tu vais fazer? Se nada é a resposta então já te digo que…

Escrevemos… 

Há dias em que queremos escrever e sentimos que nada faz sentido. Procuramos palavras, sentimentos, um motivo, uma atitude, um gesto, uma palavra… E nada faz sentido. Escrevemos porque nos liberta e nos faz despejar a alma em palavras. Mas a alma é sorrateira e esconde-se nos meandros da nossa escrita. Esconde-se para não ser…

Esta noite sou tua… 

Esta noite sou tudo o que sempre desejaste, o teu começo e o teu fim por te querer dar esse prazer e por te sentir tanto em mim. Quero que me sintas também. Quero que sintas a maciez da minha pele, como a de uma pétala de rosa, que se arrepia ao sentir o calor…

Não me vais perder… 

Ela diz-me: “Fala comigo… diz qualquer coisa… quero-te ouvir…” Respondo-lhe prontamente: “Ouve-me… digo-te que… Que te sinto dentro de mim como não quero deixar de sentir. Que cravaste um cunho cá dentro e marcaste a ferro e fogo o teu nome. Que este pedaço de carne que não passa de um músculo que bate para…

…se tiver de cair… bom, depois logo se vê.

Fotografia: Via pesquisa google Às vezes tento fazer as coisas pelo melhor como acho que é correto ou parece mais certo mas dá sempre merda, faz-me lembrar quando tento seguir uma receita à risca, nunca dá resultado! Às vezes quero caminhar pelos dias devagar ponderar nas decisões e perceber as emoções… é quando me perco…

Só mais uma vez…

Texto Erótico|M18 Chega o final de tarde de mais um dia cheio de calor. Lá estava eu a relaxar na cama de rede presa às árvores, exausta de um dia de praia, a ouvir o som da natureza. “- Queres café?” – Aquela voz não me era estranha mas eu nem cheguei lá só queria…